Instituição Religiosa-Igreja Católica-Paróquia São José Operário Tel.4582-5091- Retiro Jundiaí

Acesse nossa página no Facebook

Acesse nossa página no Facebook:





Compromisso de todo Cristão

Compromisso de todo Cristão
Compromisso de todo Cristão

quarta-feira, 19 de março de 2014

SÃO JOSÉ, ESPOSO DE NOSSA SENHORA (Solenidade)

Guarda fiel e providente

É esta a regra geral de todas as graças especiais concedidas a qualquer criatura racional: quando a providência divina escolhe alguém para uma graça particular ou estado superior, também dá à pessoa assim escolhida todos os carismas necessários para o exercício de sua missão.
Isto verificou-se de forma eminente em São José, pai adotivo do Senhor Jesus Cristo e verdadeiro esposo da rainha do mundo e senhora dos anjos. Com efeito, ele foi escolhido pelo Pai eterno para ser o guarda fiel e providente dos seus maiores tesouros: o Filho de Deus e a Virgem Maria. E cumpriu com a máxima fidelidade sua missão. Eis por que o Senhor lhe disse: Servo bom e fiel! Vem participar da alegria do teu Senhor! (Mt 25,21).
Consideremos São José diante de toda a Igreja de Cristo: acaso não é ele o homem especialmente escolhido,por quem e sob cuja proteção se realizou a entrada de Cristo no mundo de modo digno e honesto? Se, portanto, toda a santa Igreja tem uma dívida para com a Virgem Mãe, por ter recebido a Cristo por meio dela, assim também, depois dela, deve a São José uma singular graça e reverência.
Ele encerra o Antigo Testamento; nele a dignidade dos patriarcas e dos profetas obtém o fruto prometido. Mas ele foi o único que realmente possuiu aquilo que a bondade divina lhes tinha prometido.
E não duvidemos que a familiaridade, o respeito e a sublimíssima dignidade que Cristo lhe tributou, enquanto procedeu na terra como um filho para com seu pai, certamente também nada disso lhe negou no céu, mas antes, completou e aperfeiçoou. Por isso, não é sem razão que o Senhor lhe declara: Vem participar da alegria do teu Senhor! Embora a alegria da felicidade eterna penetre no coração do homem, o Senhor preferiu dizer: Vem participar da alegria. Quis assim insinuar misteriosamente que a alegria não está só dentro dele, mas o envolve de todos os lados e o absorve e submerge como um abismo sem fim.Lembrai-vos de nós, São José, e intercedei com vossas orações junto de vosso Filho adotivo; tornai-nos também propícia vossa Esposa, a santíssima Virgem, mãe daquele que vive e reina com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos sem fim. Amém.
Dos Sermões de São Bernardino de Sena, presbítero(Séc.XV)

sexta-feira, 14 de março de 2014

Papa Francisco:O primeiro ano de pontificado

Não é fácil avaliar esse período. Um coisa, porém, pode-se dizer: o Santo Padre roubou nosso coração.


Há um ano, no dia 13 de março de 2013, o cardeal Jorge Mario Bergoglio, foi eleito papa, o 266º. Sucessor de Pedro. Um ano é um período muito curto para falar do seu pontificado, mas o papa Francisco preencheu esse primeiro ano de modo tão intenso, que chega a dar impressão de um tempo muito mais longo.
Não é fácil avaliar o pontificado de um papa do qual estamos tão próximo. Vou referir-me a três pontos que podem nos ajudar a compreender melhor o pontificado do papa Francisco: o que ele tem transmitido pelos gestos e sinais; o que ele tem dito, e o que ele tem realizado.
Comecemos pelos gestos e sinais. O papa Francisco sempre surpreende. Começou no dia mesmo da eleição. A maneira como saudou e rezou com o povo, reunido na Praça de São Pedro: “e agora, eu gostaria de vos dar a bênção, mas antes peço um favor: antes que o bispo abençoe o povo, eu vos peço de rezar ao Senhor para que ele me abençoe: a oração do povo pedindo a bênção para seu Bispo. Façamos esta oração em silêncio: de todos vós sobre mim”; o uso de um micro-ônibus no lugar do carro oficial, no primeiro dia de Papa; a decisão de residir na Casa de Santa Marta e não no Palácio Apostólico.
Ele tem também uma maneira especial de se comunicar com as pessoas: escreve cartas, chama pelo telefone, faz visitas. Mereceu destaque a visita feita no primeiro dia de pontificado para pagar pessoalmente sua conta na Casa Internacional, onde esteve hospedado antes do Conclave que o elegeu. Sua viagem à Lampedusa, ao cárcere de menores, ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Tudo isso mostra um papa que escolheu um estilo muito pessoal, próprio do pastor, de exercer o seu ministério de sucessor de Pedro. E a marca deste estilo é a simplicidade, a alegria, a proximidade e amor às pessoas, sobretudo, aos mais pobres. Esses seus gestos conferem uma força extraordinária ao que ele diz. Deste primeiro ano de Pontificado de Francisco, uma semana foi vivida no Brasil, de 22 a 29 de julho de 2013. Somos testemunhas, nós brasileiros, da força de suas palavras e de seu coração de pastor. Sua simplicidade, seu sorriso, suas palavras diretas, incisivas, sua proximidade às pessoas, conquistaram não só os jovens da Jornada Mundial da Juventude, mas todo o povo brasileiro. O papa Francisco tem razão quando disse: "os brasileiros ´roubaram” meu coração". A recíproca também, é verdadeira, papa Francisco: foi o senhor quem primeiro “roubou” o nosso coração. 
Liliana Morales 
CNBB, 13-04-2014 *Dom Raymundo Damasceno Assis é cardeal e arcebispo de Aparecida (SP).

segunda-feira, 10 de março de 2014

Anúncio da Quaresma 2014

Aconteceu neste domingo,09/03 após a missa das 19:00h na  Paróquia São José Operário-Jundiaí Bairro Retiro o Anúncio da Quaresma com as comunidades neocatecumenais. O evento contou com as 
comunidades vindas da Paróquia Santa Rita de Cássia (Cecap), Santo Antonio de Pádua (Anhangabaú), além dos catequistas da Paróquia Nossa Senhora de Fátima (Vila Hortolândia). O Anúncio iniciou-se com um vídeo onde mostrou a audiência,ocorrida em 01/02 em Roma,
com cerca de 10 mil representantes do Caminho Neocatecumenal com o Papa Francisco.Através de “uma bênção solene e uma oração especial”, o Papa enviou “cerca de 75 famílias do movimento que resolveram deixar tudo para ir em missão pelo mundo”. O movimento católico,nascido na Espanha há 50 anos,hoje está presente em mais de 120 países, incluindo Portugal. Atualmente está implantado também em algumas nações tradicionalmente  não cristãs, como China, Egito, Coréia do Sul e Japão
Após a exibição do vídeo, o encontro foi concluído com uma catequese clara e contundente. Não nascemos para viver escravisados por nada, principalemnte por tentações que nos amarram e nos escravizam. São tantas hoje em dia , se considerarmos as modas que nos levam para longe de Deus. As ideologias e mentalidades e até mesmo nossa burguesia desenfreada que nos afastam de Deus. Por isso, é importante silenciar, e ir ao deserto, fazer uso das armas que nos fortalecem que é a Oração, Jejum e Esmola. O mais, o Amor de Cristo que nos precede tudo fará.

domingo, 9 de março de 2014

Mulheres expressão da força da Igreja

Dia 08- 03- 2014 dedicado as mulheres homenageamos 
estas guerreiras que dedica o seu tempo em catequizar 
nossas crianças e adolescentes. 

É a mulher na maioria das vezes o grande alicerce espiritual dentro de casa, que chama pra rezar, que reza por todo mundo e pra todo mundo. É a mulher que trabalha na igreja e sofre em casa com o marido que não aceita. É a mulher que ocupa mais o presbitério que os homens na ajuda da distribuição da comunhão eucarística. É a mulher que assume muito mais o papel de catequista e mãe dos outros dentro da comunidade. É a mulher que em silêncio trabalha na cozinha para preparar aquele almoço do retiro. Que fica horas preparando aquela lembrancinha do encontro. Que tem sensibilidade para arrumar o ambiente da catequese. Que vê muitas coisas que ninguém vê. Enfim, é a mulher que sustenta o dia-dia da igreja e nós não seríamos metade do que somos se elas não participassem da igreja. 

quinta-feira, 6 de março de 2014

Quaresma, tempo de nos voltarmos para o Senhor






Ao iniciarmos o período quaresmal, na Quarta-Feira de Cinzas, ouvimos na proclamação da primeira leitura: "Rasgai o coração e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; Ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia" (Jl 2,13). Toda a mensagem ou programa da quaresma, está contida nesse convite feito pelo profeta. Na Quaresma, devemos ter uma atitude de escuta, na qual as verdades divinas devem nos falar ao coração. A partir da oração e da reflexão sobre o mistério da Encarnação, a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, poderemos dar "razão de nossa esperança" (1Pd 3,15). A quaresma quer preparar nosso coração, para que, ao celebrarmos a Páscoa, a celebração seja expressão do que se passa no nosso coração, o qual durante quarenta dias empreende um itinerário de conversão. Uma Feliz Páscoa sempre vai exigir de nós uma Quaresma bem vivida, voltando continuamente o olhar e o coração para o Senhor que nos chama à conversão. Com toda confiança, tenhamos a coragem de corresponder à graça e "rasgar o coração". Deixar que nele entre o Senhor, para revelar-nos a nós mesmos e curar nossas feridas. A conversão pessoal leva-nos inevitavelmente a participar na comunidade da "conversão pastoral". Direcionar as ações da nossa Igreja no sentido de promover a liberdade: "É para a liberdade que Cristo nos libertou" (Gl 5,1). Vamos estender nosso olhar compassivo para os que são vítimas do tráfico humano, que é a comercialização de pessoas em vista de obter dinheiro, prazer e poder. A Campanha da Fraternidade deste ano nos convida a isso. Convida-nos a trabalhar para que este atentado à dignidade humana seja debelado. Uma ação concreta neste sentido é a denúncia através do e-maildisquedenuncia@sedh.gov.br.
Não nos esqueçamos que o empenho pelo direito e a justiça é um modo concreto de viver a caridade. Lembremo-nos: voltar-se para o Senhor é voltar-se para o irmão que sofre.
A todos que empreendem o itinerário quaresmal, deixo minha benção, em nome de Jesus!
Precisamos fazer a experiência do quanto Ele é compassivo, misericordioso e sobretudo, paciente com nossas delongas.

CNBB - *Dom Pedro Carlos Cipolini é bispo de Amaro (SP).

terça-feira, 4 de março de 2014

Instrução Geral Sobre a Liturgia das Horas

Canto de Comunhão - Quarta-Feiras de Cinzas - Quaresma- Vem meu povo ao ...

CAMINHO NEOCATECUMENAL:CONVIVÊNCIA DE INÍCIO DE CURSO-2014


CONVIVÊNCIA DE INÍCIO DE ANO

Comunidades do Caminho Neocatecumenal da Paróquia São José Operário-Jundiaí Bairro Retiro representados pelos catequistas estarão neste final de semana recebendo a catequese de início de ano que também chamamos de catequese de inicio de curso. Posteriormente o que estes lá receberem passarão para suas respectivas comunidades.
Além destes momentos destacados da história do Caminho, é importante recordar também a característica de fundo que o constituiu e que o Estatuto reconheceu: a possibilidade de viver a vida cristã em comunidade, recuperando o modelo eclesial dos primeiros séculos.
O Caminho Neocatecumenal se propôs, desde sua origem, como um caminho de iniciação à fé,assim, não é uma espiritualidade particular, mas um caminho de gestação, “um itinerário de formação católica, válida para a sociedade e para os tempos hodiernos” (João Paulo II, Carta “Ogniqualvolta”).
É um processo de amadurecimento da fé que reconstrói a comunidade cristã e esta se torna sinal para o mundo, resiste ao processo de secularização. Neste caminho de fé, rumo ao radicalismo do próprio Batismo, faz-se central a comunidade cristã e, como núcleo fundamental desta, a família. É no seio de uma comunidade cristã concreta que se faz, em primeira pessoa, uma experiência concreta e direta da vida cristã. Recebe-se uma palavra, que se faz liturgia, que cresce, pouco a pouco, em comunidade. Deus mesmo é comunidade de pessoas.

 (Márcio Neves-Comunicação)

Ensinamento: É preciso vencer a tentação do desânimo

Deus ama-nos sempre, seja qual for o caminho por onde andamos transviados.

O porquê de nossos desânimos. "Sião exclamou: ´O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-me´". É uma realidade que nos deixamos tentar muitas vezes pelo desânimo. Podemos estar doentes, com tendência para ver tudo com óculos escuros. Muitas vezes, porém, as causas são outras:
.Temos apego à nossa própria vontade. Queremos o que Deus não quer, ou fugimos do que Ele quer de nós.
. Falta-nos a confiança em Deus. Só confiamos e estamos contentes quando o Senhor nos faz a vontade. O mistério da cruz repugna-nos e revoltamo-nos contra ele.
. Em última análise, na raiz de tudo isto encontra-se a nossa falta de fé.
Esquecemos ou não, temos presente a verdade fundamental da nossa filiação divina. Essa solidão interior prejudica-nos e leva-nos ao desânimo. Fazemos lembrar uma criança mergulhada no escuro, com a mãe ao seu lado que lhe manifesta a sua presença falando-lhe carinhosamente, embora o filho não a veja; indiferente a tudo isto, a criança chora inconsolável.
"Mas pode a mulher esquecer a criança que amamenta e não ter compaixão do fruto das suas entranhas?"
Antes de nos pedir que confiemos n’Ele, o Senhor manifesta-nos a Sua bondade pelo comportamento de algumas criaturas. Parece dizer-nos: "Abre os olhos e vê!"
As mães, mesmo tão limitadas nas suas possibilidades, com defeitos, guardam intocável o afeto e carinho para com os filhos. Até os animais nos dão exemplo disto, guiados pelo instinto, tratando das crias, e mudando-as de lugar, quando algum perigo as ameaça.
Deus está conosco sempre para nos ajudar.
"Pois, ainda que ela o esquecesse, Eu não o esqueceria."
Deus ama-nos sempre, seja qual for o caminho por onde andamos transviados. É o mistério insondável da Sua misericórdia.
Quanto mais doentes, pequeninos e indefesos são os Seus filhos, mais lhes manifesta o Seu Amor. Deus, nosso Pai, é mil vezes mais generoso para conosco do que todas as mães da terra juntas. Sendo assim, nenhuma situação neste mundo justifica o nosso desânimo, porque podemos contar sempre com Ele.
Recolhamo-nos em oração, quando a escuridão do desânimo se abater sobre nós.
CNBB, 27-02-2014. *Dom Antonio Carlos Rossi Keller é bispo de Frederico Westphalen (RS).

domingo, 2 de março de 2014

Campanha da Fraternidade 2014: “Fraternidade e Tráfico Humano”

COMEÇAM OS PREPARATIVOS PARA A CF-2014

O lema da Campanha da Fraternidade 2014 traz uma verdade que precisa ser acolhida por todos os cristãos: “É para a liberdade que Cristo nos libertou! Não nascemos para viver escravizados por nada, principalmente por tentações que nos amarram e nos escravizam. São tantas hoje em dia, se consideramos as modas que levam para longe de Deus, as ideologias e mentalidades que afastam de Deus. Por isso, é importante silenciar, e ir ao deserto. O cartaz da Campanha da Fraternidade quer refletir a crueldade do tráfico humano. As mãos acorrentadas e estendidas simbolizam a situação de dominação e exploração dos irmãos e irmãs traficados e o seu sentimento de impotência perante os traficantes. A mão que sustenta as correntes representa a força coercitiva do tráfico, que explora vítimas que estão distantes de sua terra, de sua família e de sua gente. Essa situação rompe com o projeto de vida na liberdade e na paz e viola a dignidade e os direitos do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus. A sombra na parte superior do cartaz expressa as violações do tráfico humano, que ferem a fraternidade e a solidariedade, que empobrecem e desumanizam a sociedade. As correntes rompidas e envoltas em luz revigoram a vida sofrida das pessoas dominadas por esse crime e apontam para a esperança de libertação do tráfico humano. Essa esperança se nutre da entrega total de Jesus Cristo na cruz para vencer as situações de morte e conceder a liberdade a todos. “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5, 1), especialmente os que sofrem com injustiças, como as presentes nas modalidades do tráfico humano, representadas pelas mãos na parte inferior. A maioria das pessoas traficadas é pobre ou está em situação de grande vulnerabilidade. As redes criminosas do tráfico valem-se dessa condição, que facilita o aliciamento com enganosas promessas de vida mais digna. Uma vez nas mãos dos traficantes, mulheres, homens e crianças, adolescentes e jovens são explorados em atividades contra a própria vontade e por meios violentos. (Fonte: CF 2014).