Instituição Religiosa-Igreja Católica-Paróquia São José Operário Tel.4582-5091- Retiro Jundiaí

Minha foto
Jundiaí, São Paulo, Brazil
Instrumento a serviço da Paróquia São José Operário.(Bairro Retiro-Jundiaí) R.Maestro Paulo Mário de Souza,284-Retiro Cep.13211-160- Fone/Fax:(11)4582-5091-e-mail:psjoperario@ig.com.br-Horário de atendimento da secretária:Seg.a Sexta das 08:00 as 12:00 e das 13:00 as 17:00- No Sábado das 08:00 as 12:00.

Região Pastoral V

Região Pastoral V
Região Pastoral V - ACESSE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK (LINK ABAIXO):

Compromisso de todo Cristão

Compromisso de todo Cristão
PASTORAL DA COMUNICAÇÃO - SJO

Pastoral da Comunicação-Pascom

Pastoral da Comunicação-Pascom
LEIA NOSSO JORNAL DIOCESANO - https://dj.org.br/o-verbo/ - e-mail:verbo@dj.org.br

Pastoral da Comunicação-Pascom

Pastoral da Comunicação-Pascom
Pastoral da Comunicação-Pascom

sábado, 18 de novembro de 2017

Jornada Mundial dos Pobres

A Igreja realiza, de 12 a 19 de novembro, a primeira Jornada Mundial dos Pobres, com o tema: “Não amemos com palavras, mas com obras”. Os pobres são os protagonistas da história da salvação. Negar sua eminente dignidade na Igreja seria uma heresia. João Paulo II alertou: na fidelidade aos pobres a Igreja põe em cheque sua fidelidade a Cristo (Laborem exercens, n.8).
A missão principal da Igreja é a evangelização dos pobres. No entanto, em muitas situações, a evangelização tem sido praticada a partir da opção pelos ricos e seus interesses. Sua mensagem e estrutura têm sido configuradas a partir dos poderosos. A suntuosidade clerical imita o luxo da realeza medieval. Neste modelo, os ricos têm toda a preeminência. Igreja de ricos que pratica caridade assistencial aos pobres. Defensores da vida, ocupados em condenar o aborto, mas totalmente alheios às milhares de vidas humanas abortadas pelo flagelo da fome, da miséria, da violência, da opressão, do desemprego, do tráfico de pessoas, da escravidão. “A pobreza é fruto da injustiça social, da miséria moral, da avidez de poucos e da indiferença generalizada”!
Como é possível que uma fé que, desde o Antigo Testamento trazia uma carga profética a favor dos oprimidos e que em Jesus de Nazaré se converteu em manifestação explícita em favor dos pobres, possa ser reduzida a sustento ideológico dos ricos? Como uma mensagem subversiva foi transformada em respaldo divino da ordem estabelecida?

Em preparação ao Dia Mundial dos Pobres (19), o Papa Francisco, em Mensagem publicada para a ocasião, exorta: “Quem pretende amar como Jesus amou, deve assumir o seu exemplo, sobretudo no amor os pobres. Enquanto sobressai cada vez mais a riqueza descarada que se acumula nas mãos de poucos privilegiados, frequentemente acompanhada pela ilegalidade e a exploração ofensiva da dignidade humana, causa escândalo a extensão da pobreza a grandes setores da sociedade no mundo inteiro. Perante este cenário, não se pode permanecer inerte e, menos ainda, resignado”.

A imensa maioria da humanidade vive não só na pobreza, mas, também, na mais absoluta miséria. Essa situação, em grande parte, é provocada por um sistema julgado como pecado, porque nenhum outro mal é mais nocivo aos seres humanos. É a negação maior da vontade de Deus. “Eu, o Senhor, que sou o primeiro, estou com os últimos” (Is 41,4). Falsificar essa imagem de Deus é a pior das heresias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário