Instituição Religiosa-Igreja Católica-Paróquia São José Operário Tel.4582-5091- Retiro Jundiaí

Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)

Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)
Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)

segunda-feira, 24 de junho de 2019

NASCIMENTO DE SÃO JOÃO BATISTA (solenidade) "Voz do que clama no deserto"

A Igreja celebra o nascimento de João como um acontecimento sagrado. Dentre os nossos antepassados, não há nenhum cujo nascimento seja celebrado solenemente. Celebramos o de João, celebramos também o de Cristo: tal fato tem, sem dúvida, uma explicação. E se não a soubermos dar tão bem, como exige a importância desta solenidade, pelo menos meditemos nela mais frutuosa e profundamente. João nasce de uma anciã estéril; Cristo nasce de uma jovem virgem.

O pai de João não acredita que ele possa nascer e fica mudo; Maria acredita, e Cristo é concebido pela fé. Eis o assunto que quisemos meditar e prometemos tratar. E se não formos capazes de perscrutar toda a profundeza de tão grande mistério, por falta de aptidão ou de tempo, aquele que fala dentro de vós, mesmo em nossa ausência, vos ensinará melhor. Nele pensais com amor filial, a ele recebestes no coração, dele vos tornastes templos.

João apareceu, pois, como ponto de encontro entre os dois Testamentos, o antigo e o novo. O próprio Senhor o chama de limite quando diz: A lei e os profetas até João Batista (Lc 16,16). Ele representa o antigo e anuncia o novo. Porque representa o Antigo Testamento, nasce de pais idosos; porque anuncia o Novo Testamento, é declarado profeta ainda estando nas entranhas da mãe. Na verdade, antes mesmo de nascer, exultou de alegria no ventre materno, à chegada de Maria. Antes de nascer, já é designado; revela-se de quem seria o precursor, antes de ser visto por ele. Tudo isto são coisas divinas, que ultrapassam a limitação humana. Por fim, nasce. Recebe o nome e se solta à língua do pai. Relacionemos o acontecido com o simbolismo de todos estes fatos.

Zacarias emudece e perde a voz até o nascimento de João, o precursor do Senhor; só então recupera a voz. Que significa o silêncio de Zacarias? Não seria o sentido da profecia que, antes da pregação de Cristo, estava, de certo modo, velado, oculto, fechado? Mas com a vinda daquele a quem elas se referiam tudo se abre e torna-se claro. O fato de Zacarias recuperar a voz no nascimento de João tem o mesmo significado que o rasgar-se o véu do templo, quando Cristo morreu na cruz. Se João se anunciasse a si mesmo, Zacarias não abriria a boca. Solta-se a língua, porque nasce aquele que é a voz. Com efeito, quando João já anunciava o Senhor, perguntaram-lhe: Quem és tu? (Jo 1,19). E ele respondeu: Eu sou a voz do que clama no deserto (Jo 1,23). João é a voz; o Senhor, porém, no princípio era a Palavra (Jo 1,1). João é a voz no tempo; Cristo é, desde o princípio, a Palavra eterna.

(Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo)


sexta-feira, 21 de junho de 2019

SÃO LUÍS GONZAGA, RELIGIOSO (Memória)


           
Ilustríssima senhora, peço que recebas a graça do Espírito Santo e a sua perpétua consolação. Quando recebi tua carta, ainda me encontrava nesta região dos mortos. Mas agora, espero ir em breve louvar a Deus para sempre na terra dos vivos. Pensava mesmo que a esta hora já teria dado esse passo. Se é caridade, como diz São Paulo, chorar com os que choram e alegrar-se com os que se alegram (cf. Rm 12,15), é preciso, mãe ilustríssima, que te alegres profundamente porque, por teus méritos, Deus me chama à verdadeira felicidade e me dá a certeza de jamais me afastar do seu temor.
            Na verdade, ilustríssima senhora, confesso-te que me perco e arrebato quando considero, na sua profundeza, a bondade divina. Ela é semelhante a um mar sem fundo nem limites, que me chama ao descanso eterno por um tão breve e pequeno trabalho; que me convida e chama ao céu para aí me dar àquele bem supremo que tão negligentemente procurei, e me promete o fruto daquelas lágrimas que tão parcamente derramei.
            Por conseguinte, ilustríssima senhora, considera bem e toma cuidado em não ofender a infinita bondade de Deus. Isto aconteceria se chorasses como morto aquele que vai viver perante a face de Deus e que, com sua intercessão, poderá auxiliar-te incomparavelmente mais do que nesta vida. Esta separação não será longa; no céu nos tornaremos a ver. Lá, unidos ao autor da nossa salvação, seremos repletos das alegrias imortais, louvando-o com todas as forças da nossa alma e cantando eternamente as suas misericórdias. Se Deus toma de nós aquilo que havia emprestado, assim procede com a única intenção de colocá-lo em lugar mais seguro e fora de perigo, e nos dar aqueles bens que desejamos dele receber.
            Disse tudo isto, ilustríssima senhora, para ceder ao desejo que tenho de que tu e toda a minha família considereis minha partida como um feliz benefício. Que a tua bênção materna me acompanhe na travessia deste mar, até alcançar a margem onde estão todas as minhas esperanças. Escrevo isto com alegria para dar-te a conhecer que nada me é bastante para manifestar com mais evidência o amor e a reverência que te devo como um filho à sua mãe.
(Da Carta escrita por São Luís Gonzaga à sua mãe.)

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Associação de Moradores da Região do Retiro: Serviços Públicos

Para melhorar o meio de comunicação com o moradores do Bairro e o tempo de execução dos serviços solicitados.
Para isso, criamos um formulário online  para facilitar a informação.

Se você tem algum problema em relação a:

*Iluminação Pública;
*Mato alto;
*poda de arvore;
*Rua esburacada;
*Vazamento de Água ou esgoto;

Preencha o formulário (link abaixo) e a Associação irá fazer a solicitação e cobrança diretamente com  a Prefeitura Municipal.

#regiadodoretiro #servicopublico #comunicacao
 https://forms.gle/PdR3pboo22TgECw68
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeKbqtgJUzx5gavxaWis3bPhF1mDyfXSrQoR4GQ0KooJYuloA/viewform

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Dia dos namorados: "Arroz,feijão e pé no chão"


Pergunto:
Num período de crise como esse que estamos vivendo, com tantos milhões de jovens desempregados; com tantos outros vivendo a insegurança do emprego que ainda conservam, por vezes sendo até obrigados a fazer concessões para não perder os parcos salários que cobrem suas despesas indispensáveis; com tantas famílias precisando do essencial para a sobrevivência, como então “comprovar” seus sentimentos pela pessoa amada?
E como avaliar a ética das lojas e instituições financeiras, que aproveitando essa pressão emocional sobre pessoas imaturas, oferecem dinheiro quase de graça (pelo menos é o que sugerem...), prometem facilidades incríveis para os incautos sacarem empréstimos que depois irão amargurar-lhes a existência, levando-os a correr atrás de outros empréstimos para pagar os empréstimos que fizeram, ou as prestações que assumiram, num perverso moto perpétuo, capaz de levar pessoas mais desesperadas até a atos extremos. E o pior é que há quem meça o amor do outro, pela qualidade e pelo valor do presente recebido. Já ouvi absurdo como esse: “Fulano não me ama! Olha só a porcaria que me deu!...” Pergunto: que amor é esse?
Curiosamente, nos países onde a comemoração de São Valentim – Dia dos Namorados, é bem mais antiga, a tradição não são os presentes multiformes e dispendiosos, mas uma simples caixa de bombons ou de chocolate, especialmente acompanhada de um bonito cartão com mensagem sincera, escrita pela própria pessoa. Isso sim, é considerado expressão autêntica do amor que se quer demonstrar. E interessante: o Dia dos Namorados (Saint Valentine's Day), comemorado há séculos em outros países, nasceu e permanece sendo uma festa de sentimentos e manifestações personalizadas. Aqui no Brasil, com pouco mais de 50 anos, nasceu e continua sendo um evento comercial, oportunidade de consumismo e faturamento, quase sempre frio e sem personalização. Quando muito, as emoções de uma noite no motel...
Pascom-SJO


Igreja: Papa Francisco assinala hoje o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil

Menino produzindo tijolos no Malaui. (crédito AFP)

O papa Francisco assinalou hoje o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, numa mensagem divulgada através da rede social Twitter.
“Como adultos não podemos roubar às crianças a capacidade de sonhar. Procuremos favorecer um contexto de esperança, onde os seus sonhos cresçam e se partilhem: um sonho partilhado abre o caminho para um novo modo de viver”, escreveu o pontífice na sua conta ‘@Pontifex_pt’, texto acompanhado pelo marcador #NOChildLabourDay.
Este tem sido um tema presente nas intervenções do papa desde a sua eleição, alertando, por exemplo, para “a exploração das crianças no trabalho doméstico”.
“Todas as crianças devem poder brincar, estudar, rezar e crescer, em suas famílias, num contexto harmônico, de amor e serenidade. É um direito delas e um dever nosso”, disse, a 12 de junho de 2013.
No ano seguinte, com o livreto vermelho da Organização Internacional do Trabalho (OIT) na mão, Francisco recordou que “dezenas de milhões de crianças são obrigadas a trabalhar em condições degradantes, expostas a formas de escravidão e de exploração, bem como a abusos, maus-tratos e discriminações”.
O Dia Mundial contra o Trabalho Infantil (12 de junho) foi instituído pela OIT em 2002, quando apresentou o primeiro relatório global sobre o trabalho infantil na Conferência Anual do Trabalho.
Este ano, a OIT escolheu como lema ‘As crianças não devem trabalhar nos campos, mas em sonhos’; segundo a organização, 218 milhões de menores entre os 5 e os 17 anos trabalham, dos quais 152 milhões são vítimas de trabalho infantil.
Fonte:Ecclesia

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Pastoral da Comunicação: Cúria Diocesana promove neste sábado, 08 um momento de comunhão, integração, formação e novidades...!


O encontro é para todos os agentes da Pastoral da Comunicação da nossa Diocese, e também para as equipes de comunicação dos movimentos eclesiais e novas comunidades.

Nossa paróquia São José Operário estará sendo representada neste encontro, dando sequencia ao projeto paroquial de uma visão mais ampla da abrangente desta missão.
 



Pascom-SJO

Apostolado da oração presente na paróquia São José Operário. Venha conhecer e fazer parte!


O Apostolado da Oração é um movimento religioso presente em nossa paróquia composto por leigos católicos. A finalidade é a santificação pessoal e a evangelização das famílias com especial devoção ao Sagrado Coração de Jesus. O sentido do apostolado é a doação a Deus, pelo conhecimento da palavra, pela oração, pelo oferecimento diário e pela fidelidade à igreja.
O movimento nasceu em 1844, numa casa de formação de jovens jesuítas, em Vals, no sul da França.
Entre os anos 1879-1896, o Papa Leão XIII quis fazer sua esta imensa Rede de Oração, propondo, quando da aprovação dos seus Estatutos, uma intenção mensal de oração pela qual os seus membros rezassem. Deste modo, o Apostolado da Oração tornou-se uma obra própria do Papa, confiando o Sumo Pontífice a sua dinamização à Companhia de Jesus, na pessoa do seu Padre Geral.
Passados 175 anos da sua fundação, o Papa Francisco aprovou os novos Estatutos do Apostolado da Oração constituindo-o como Obra Pontifícia, chamada hoje, Rede Mundial de Oração do Papa.
No livro dos estatutos do Apostolado da Oração, encontramos esta definição: “O Apostolado da Oração constitui a união dos fiéis que, por meio do oferecimento cotidiano de si mesmos, se juntam ao Sacrifício Eucarístico, no qual se exerce continuamente a obra de nossa redenção, e desta forma, pela união vital de Cristo, da qual depende a fecundidade apostólica, colaboram na salvação do mundo”.


Pascom-SJO

Igreja celebra os 175 anos de fundação do Apostolado da Oração


Nas paróquias da Diocese de Jundiaí será realizada uma peregrinação com a imagem do Sagrado Coração de Jesus.

Apostolado da Oração abre o Ano Jubilar na Diocese de Jundiaí no próximo dia 7 de junho. A programação para celebrar os 175 anos de Fundação vai contar com a peregrinação da imagem do Sagrado Coração de Jesus nas 11 Regiões Pastorais Diocesanas. A abertura das comemorações será na matriz da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, na cidade de Louveira, com missa às 19h do dia 7 de junho. Nesse dia, estarão presentes representantes de todos os centros do Apostolado da Oração diocesano.


Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

sábado, 1 de junho de 2019

Editorial: Igreja em ação! Boas Vindas ao Mês de Junho


Saudações a todos!

Bendito seja Deus que nos dá em sua bondade e providência, esse momento oportuno de poder falar um pouquinho com todos aqueles que   nos acompanham através de nossos meio de comunicação, aliás, que Deus  nos conceda o dom de fazer bom uso dessa ferramenta a serviço de Igreja de  Jesus Cristo. Não esqueçam de curtir e comentar nossas postagens.
Estamos iniciando o mês de Junho. Somos atraídos, neste mês em que dedicamos ao Sagrado Coração de Jesus, pela figura do Cordeiro, cuja mansidão nos remete à Palavra do Mestre: "aprendei de mim que sou manso e humilde de coração" (Mt 11,29).
O mês de Junho também marcado pelas tradicionais "festas juninas", é enriquecido com a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo (20/06).
Já neste domingo, 02/06 celebramos a Festa da Ascensão do Senhor, que nos chama a experimentarmos a sua ação transformadora. Esta festa marca o fim do Tempo Pascal, deste período de 40 dias após a Ressurreição, nos quais Cristo se manifestava a seus discípulos.
Celebramos também a Semana de Oração pela unidade dos Cristãos a iniciar neste domingo, 02 com o tema “Procurarás a justiça, nada além da justiça" (Dt.16,18-20)
De modo muito especial, a Pastoral da Comunicação (Pascom), juntamente com toda Igreja comemoramos o 53º Dia Mundial das Comunicações Sociais, este ano com o tema "Somos membros uns dos outros (Ef.4,25). Das comunidades as comunidades". Renova-se assim nosso desejo de organizar uma Pascom  mais abrangente e dentro do Estatuto poder contar com representantes de todas as nossas comunidades. O agente de comunicação entende que quando movido pela Ação do Espírito Santo "Faz novas todas as coisas, aliás, no próximo domingo, 08/06 celebraremos com fervor as Festa de Pentecostes.  A comunicação é a pastoral da acolhida e da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária, do planejamento democrático, do uso dos recursos e instrumentos que facilitem o intercâmbio de informações e manifestações das pessoas no interior da comunidade e da sociedade". (Coleção Estudos da CNBB, 75 nº244). Deixamos aqui nosso convite aberto aos interessados em compor a equipe.
A partir daí, nasce o desejo de "chegar a todos" a mensagem e ação da Igreja através de nossa Paróquia São José Operário. Sabemos que apesar do grande alcance dos meios sociais de comunicação, muitos ainda não têm acesso, ou prefere a comunicação escrita através de jornais e informativos mensais. Portanto, estaremos levando ao conhecimento de nosso pároco a necessidade de voltar com o nosso Jornal "Operário da messe" para que dentro de uma dinâmica de organização de custo e conteúdo pertinente e atualizado, possamos tornar real esse projeto.
Enfim, com essas motivações, participemos com devoção, zelo e amor da vida de nossas comunidades, movimentos e pastorais de nossa paróquia.
Sempre no carinho maternal de Maria,

                       Márcio Neves (Pascom-SJO)