Instituição Religiosa-Igreja Católica-Paróquia São José Operário Tel.4582-5091- Retiro Jundiaí

Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)

Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)
Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Pastoral Vicentinos: "A força da solidariedade"


As Conferências Vicentinas são formadas por pessoas voluntárias, organizadas em grupos unidos pelo espírito de comunidade, de pobreza e partilha, que procuram dar testemunho do amor a Jesus  Cristo pelo exercício da caridade, atuando no campo da promoção humana, buscando através da justiça social, o resgate da  cidadania dos excluídos.
Na Paróquia São José Operário temos a atuação de duas Conferências: São José Operário (44 anos) e Nossa Senhora de Fátima (31 anos).
Atualmente atendem 24 famílias cadastradas e a demanda está cada dia maior.
As conferências vivem de doações das pessoas da comunidade, que são muito solidárias e colaboram com alimentos, roupas, calçados, brinquedo, produto de higiene e limpeza.
Diante da presente situação da pandemia do coronavírus, os Vicentinos estão recolhendo as doações deixadas na igreja e quando solicitados retiram nas casas dos paroquianos. A campanha do quilo realizada nas ruas do bairro foi suspensa temporariamente pela redução dos voluntários, muitos são do grupo de risco.
O grupo de jovens da paróquia, os párocos
Daniel e Eduardo estão dando muito apoio na arrecadação dos alimentos.
Os Vicentinos têm o cuidado com a higienização dos alimentos, antes de guardar no dispensário e na montagem das cestas.
A entrega das cestas está ocorrendo com espaçamento de horários, evitando aglomeração, sendo obrigatório o uso de máscara e álcool em gel, tanto das famílias assistidas quanto os vicentinos.
As visitas domiciliares não estão sendo realizadas, mas as famílias estão sendo assistidas com ajuda das cestas, roupas, calçados etc.
As carências atuais vão muito além das
necessidades básicas de alimentação, moradia e vestuário e mais do que nunca se faz necessário
levar a esperança, escutá-los e orientá-los em suas aflições.
Colaboração: Regina Boava

Novo Diretório para a Catequese: “É urgente uma conversão pastoral"

"É urgente realizar uma 'conversão pastoral' a fim de liberar a catequese de certos laços que a impedem de ser eficaz". Palavras de Dom Rino Fisichella na coletiva de apresentação nesta quinta-feira (25/06) do novo "Diretório para a Catequese”
“Na era digital, vinte anos podem ser comparados, sem exageros, a pelo menos meio século”. A observação é de Dom Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a promoção da Nova Evangelização, durante a apresentação nesta quinta-feira (25/06) na Sala de Imprensa da Santa Sé do novo "Diretório para a Catequese”.
Considerar o que está surgindo
O documento nasceu da necessidade de levar em consideração "com grande realismo o novo que está surgindo, com a tentativa de propor uma leitura que envolvesse a catequese". É por esta razão que o Diretório apresenta "não apenas os problemas inerentes à cultura digital, mas também sugere caminhos a serem tomados para que a catequese se torne uma proposta que encontre o interlocutor capaz de compreendê-la e ver sua adequação com seu próprio mundo". 

Recordar os Sínodos

“Viver cada vez mais a dimensão sinodal faz com que não esqueçamos os últimos Sínodos que a Igreja viveu", explicou Fisichella. O presidente do Dicastério mencionou em particular o Sínodo sobre a Nova Evangelização e transmissão da fé de 2012, com a consequente Exortação Apostólica do Papa Francisco Evangelii gaudium, e o 25º aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica, que afeta diretamente a competência do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização.

Conversão pastoral

"A evangelização ocupa o primeiro lugar na vida da Igreja e no ensinamento diário do Papa
Dom Rino Fisichela-Pres.Pontifício Conselho Nova Evangelização
Francisco", observou o prelado: “Portanto, a catequese deve estar intimamente ligada à obra de evangelização e não pode ser separada dela. Ela precisa assumir em si mesma as próprias
características da evangelização, sem cair na tentação de se tornar um substituto para ela ou de querer impor à evangelização suas próprias premissas pedagógicas”. A partir disso podemos ver o primado do "primeiro anúncio" e o vínculo entre evangelização e catecumenato, "como experiência do perdão oferecido e da nova vida de comunhão com Deus". Segundo Fisichella, "é urgente realizar uma 'conversão pastoral' a fim de liberar a catequese de certos laços que a impedem de ser eficaz". O primeiro ponto pode ser identificado no esquema escolar, segundo o qual a catequese de Iniciação Cristã é vivida no paradigma da escola. O segundo é a mentalidade com a qual a catequese é feita a fim de receber um sacramento. Um terceiro é a instrumentalização do sacramento por causa da pastoral, desse modo os tempos do sacramento da Confirmação são estabelecidos pela estratégia pastoral de não perder o pequeno rebanho de jovens que não abandonaram a paróquia e não pelo significado que o sacramento possui em si mesmo na economia da vida cristã".
(Fonte: Agência Sir – M.N.)

Aborto: Câmara dos Deputados contraria a população e pauta aprovação do aborto


Foi pautada para a manhã desta quinta-feira, 25, na Câmara dos Deputados, a votação do PL 1444/2020, que pretende ampliar a despenalização do aborto e sua viabilidade pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com a justificativa de combater a violência contra a mulher neste período de pandemia.
O projeto, que foi apelidado de “Covidão do Aborto”, é considerado antidemocrático por líderes pró-vida, uma vez que a “Casa do Povo” deve representar a vontade da população brasileira e não os interesses financeiros de uma minoria. As manifestações já estão acontecendo e pelas redes sociais está subindo a hashtag: #ABORTONunca.
“A esmagadora maioria dos brasileiros é contrária a descriminalização do aborto, mas os ativistas querem avançar com sua agenda e buscam o aumento de recursos públicos destinados ao financiamento dessa prática. Todo cidadão brasileiro precisa perceber que está sendo escrito mais um capítulo do longo histórico de tentativas de implantação do aborto no Brasil”, alertou o sacerdote e líder pró-vida de Cuiabá (MT), Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Junior, por meio de um vídeo nesta quarta-feira, 24, intitulado: “Saiba o que fazer contra o “Covidão do Aborto”!.
Segundo ele, é justamente nas entrelinhas que reside o perigo. “Foi assim que, em 2013, a Lei Cavalo de Troia, Lei no. 12.845, modificou o conceito de “estupro”, considerando-o como qualquer relação sexual não consentida, fato que, somado à orientação de uma Norma Técnica do Ministério da Saúde, na qual a palavra da mulher que procura o aborto alegando ter sido estuprada deve ser recebida com “presunção de veracidade”, sem a necessidade de boletim de ocorrência.
“Isso constituiu um verdadeiro escancarar de portas para que abortos fossem praticados impunemente”, lamentou o sacerdote.

Aborto: Câmara dos Deputados contraria a população e pauta aprovação do aborto



Estão tramitando no Congresso Nacional, podendo ir a votação nos próximos dias, dois projetos de lei (os PL 1552 e 1444, ambos de 2020) que, sob a justificativa de combater a violência contra a mulher, pretendem facilitar o acesso ao aborto no Brasil.
Você, que faz parte da esmagadora maioria de brasileiros contrária ao aborto, assista a este alerta do Pe. Paulo Ricardo e veja o que você pode fazer para ajudar a frear esta tentativa de aprovar mais um “cavalo de troia” do aborto em nosso país.

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Missas online na Paróquia São José Operário


Dom Vicente anuncia Ordenações e Transferências de Presbíteros



Nesta terça-feira, 23 de junho, reunido o Conselho Presbiteral, Dom Vicente Costa, Bispo Diocesano, aprovou novas ordenações diaconais e presbiteral, e definiu algumas transferências de presbíteros, que ocorrem para suprir as diversas necessidades da Igreja Particular de Jundiaí.

Ordenações

Os jovens vocacionados Eduardo Augusto Belão, Fábio Ricardo Gentille, João Fernando Fava, Luís Ricardo da Silva Gracio e Wellington Felício da Silva, que ingressaram no Seminário Diocesano em 2012, serão ordenados diáconos.

A ordenação está marcada para o dia 07 de agosto, às 19h30, no Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, Vila Rami, em Jundiaí, em celebração transmitida aos fiéis diocesanos pelas mídias sociais.

         Já foram definidas, também, as paróquias onde os novos diáconos exercerão o ministério:
         – Diác. Eduardo Augusto Belão: Paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Várzea Paulista;
         – Diác. Fábio Ricardo Gentille: Paróquia Santo Antônio de Pádua, Engordadouro, em Jundiaí;
         – Diác. João Fernando Fava: Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Louveira;
         – Diác. Luís Ricardo da Silva Gracio: Paróquia Nossa Senhora Aparecida, Jardim Novo Horizonte, em Jundiaí;
         – Diác. Wellington Felício da Silva: Paróquia São João Bosco, Parque Residencial Eloy Chaves, em Jundiaí.

         O diácono transitório Diego Marques Araujo será ordenado presbítero no dia 24 de julho, às 19h30, no Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, na Vila Rami, em Jundiaí, em celebração que deverá ser transmitida aos diocesanos pelas mídias sociais. O futuro presbítero foi nomeado Vigário Paroquial da Paróquia São Francisco de Assis, em Várzea Paulista.
Transferências

         O Pe. André Aparecido Monteiro, Pároco da Paróquia São Pedro, em Santana de Parnaíba, licenciar-se-á do ofício de pároco para o tratamento de saúde, ao qual está submetido. Por isso, o Pe. Erickson Ramos da Silva, atualmente Vigário Paroquial da Paróquia São Francisco de Assis, em Várzea Paulista, será o Administrador Paroquial da Paróquia São Pedro, em Santana de Parnaíba, durante o tratamento de saúde do Pe. André Monteiro. A celebração que marcará o início canônico do ofício do Pe. Erickson como Administrador Paroquial será no sábado, 04 de julho, às 19h.

         O Pe. Alberto Simionato, Pároco do Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, da Vila Rami, em Jundiaí, partirá no próximo agosto para Roma para especializar-se em Filosofia na Pontifícia Universidade Gregoriana. Por isso, o Pe. Carlos José Virillo foi designado para o ofício de Pároco do Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, Vila Rami, em Jundiaí, e permanece como Ecônomo Diocesano e Moderador da Cúria Diocesana de Jundiaí. O Pe. Cristiano Roberto Campelo, SDB, atualmente Vigário Paroquial da Paróquia Nova Jerusalém, em Jundiaí, foi nomeado Vigário Paroquial do Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida, Vila Rami, em Jundiaí, e permanece como Coordenador Pedagógico do Instituto Diocesano de Filosofia. Oportunamente será anunciada a data do início da missão dos presbíteros em seus novos ofícios.


NASCIMENTO DE SÃO JOÃO BATISTA (Solenidade)


A Igreja celebra o nascimento de João como um acontecimento sagrado. Dentre os nossos antepassados, não há nenhum cujo nascimento seja celebrado solenemente. Celebramos o de João, celebramos também o de Cristo: tal fato tem, sem dúvida, uma explicação. E se não a soubermos dar tão bem, como exige a importância desta solenidade, pelo menos meditemos nela mais frutuosa e profundamente. João nasce de uma anciã estéril; Cristo nasce de uma jovem virgem. O pai de João não acredita que ele possa nascer e fica mudo; Maria acredita, e Cristo é concebido pela fé. Eis o assunto que quisemos meditar e prometemos tratar. E se não formos capazes de perscrutar toda a profundeza de tão grande mistério, por falta de aptidão ou de tempo, aquele que fala dentro de vós, mesmo em nossa ausência, vos ensinará melhor. Nele pensais com amor filial, a ele recebestes no coração, dele vos tornastes templos. João apareceu, pois, como ponto de encontro entre os dois Testamentos, o antigo e o novo. O próprio Senhor o chama de limite quando diz: A lei e os profetas até João Batista (Lc 16,16). Ele representa o antigo e anuncia o novo. Porque representa o Antigo Testamento, nasce de pais idosos; porque anuncia o Novo Testamento, é declarado profeta ainda estando nas entranhas da mãe. Na verdade, antes mesmo de nascer, exultou de alegria no ventre materno, à chegada de Maria. Antes de nascer, já é designado; revela-se de quem seria o precursor, antes de ser visto por ele. Tudo isto são coisas divinas, que ultrapassam a limitação humana. Por fim, nasce. Recebe o nome e solta-se a língua do pai. Relacionemos o acontecido com o simbolismo de todos estes fatos. Zacarias emudece e perde a voz até o nascimento de João, o precursor do Senhor; só então recupera a voz. Que significa o silêncio de Zacarias? Não seria o sentido da profecia que, antes da pregação de Cristo, estava, de certo modo, velado, oculto, fechado? Mas com a vinda daquele a quem elas se referiam, tudo se abre e torna-se claro. O fato de Zacarias recuperar a voz no nascimento de João tem o mesmo significado que o rasgar-se o véu do templo, quando Cristo morreu na cruz. Se João se anunciasse a si mesmo, Zacarias não abriria a boca. Solta-se a língua, porque nasce aquele que é a voz. Com efeito, quando João já anunciava o Senhor, perguntaram-lhe: Quem és tu? (Jo 1,19). E ele respondeu: Eu sou a voz do que clama no deserto (Jo 1,23). João é a voz; o Senhor, porém, no princípio era a Palavra (Jo 1,1). João é a voz no tempo; Cristo é, desde o princípio, a Palavra eterna.
Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo (sec. V)


terça-feira, 23 de junho de 2020

Edições CNBB lança novena Santa Dulce dos Pobres, um dom para a Igreja e o Brasil


A Edições CNBB, inspirada pelo tema da Campanha da Fraternidade 2020, preparou a novena “Santa Dulce dos Pobres: um dom para a Igreja, um dom para o Brasil”. A novena tem o intuito de ajudar os cristãos neste tempo especial de graça pela canonização dessa “mulher frágil no corpo, mas fortaleza peregrina pelas terras de São Salvador da Bahia de Todos os Santos”.
A reflexão que propõe a novena tem o propósito de conduzir os cristãos a um encontro com o Senhor, com a proposta de reavivar o desejo pela presença inquestionável do amor de Deus pelos pobres e sofredores, refletindo sobre os passos dessa incansável peregrina da caridade e da fraternidade que foi irmã Dulce.
Para adquirir a cartilha basta fazer o pedido pelo Blog da Edições CNBB, no endereço: www.edicoescnbb.com.br

“É hora de ser presença amorosa com as pessoas que sofreram perdas”, afirma dom Roberto Francisco Ferrería Paz (referencial da Pastoral da Saúde)

Foto: Ulrike Mai/Pixabay

A pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, continua acelerando no mundo, com um milhão de casos registrados em apenas oito dias, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O mundo também teve um recorde de novas infecções diárias no domingo (21): foram 183 mil novos casos. O maior número de infecções relatadas veio do Brasil. Com 654 novos registros de mortes, o Brasil totalizou mais de 50 mil óbitos por covid-19, informou o Ministério da Saúde. Os casos confirmados da doença saltaram de 1.085.038 para 1.106.470.
Para falar sobre o aumento significativo, principalmente de óbitos, o portal da CNBB conversou com o bispo de Campos (RJ) e referencial da Pastoral da Saúde, dom Roberto Francisco Ferrería Paz. “Eu acredito que os números, claro, têm toda essa pedagogia da prevenção, mas eles começam a ter impacto quando a gente perde um familiar, quando é tocado na carne pela navalha da morte”, comentou o bispo.
Segundo dom Roberto é importante ter compaixão e delicadeza para com os familiares que perderam seus entes queridos pela covid-19. “Temos que mostrar que estamos com eles, que estamos acompanhando, porque o luto é difícil, sobretudo, porque já começa com a dificuldade do enterro, que é marcado por uma série de questões razoáveis de distanciamento e que não deixa os familiares manifestarem o ritual da separação, o ritual de entregar nas mãos de Deus o querido familiar, então ficam muitos sentimentos contidos, não extravasados e a falta de solidariedade também visível, presente”, argumenta.

Papa Francisco não aceitou a renúncia do Cardeal Sarah


O Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos completou 75 anos e renunciou ao cargo, mas o Papa Francisco não aceitou sua renúncia e o confirmou como prefeito.
O Cardeal guineense permanecerá à frente desta Congregação vaticana "donec aliter provideatur", ou seja, por agora e até que outras mudanças sejam notificadas.
O próprio Cardeal Sarah anunciou através de sua conta no Twitter a renovação de seu cargo pelo Papa.
VATICANO, 18 Jun. 20 / 10:10 am (ACI).

sábado, 20 de junho de 2020

Festival TANTOS SOMOS, SOMOS UM | SJMR Brasil



Dia Mundial do Refugiado se celebra neste sábado (20)
Segundo a Agência da ONU para Refugiados (Acnur), a
"data é uma oportunidade para homenagear a coragem, a resiliência e a
força de todas as mulheres, homens e crianças forçadas a deixar suas casas por
causa de guerras, conflitos armados e perseguições". Por isso, o Serviço
Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR Brasil), rede especializada em migração,
deslocamento forçado e refúgio, presente em 50 países, decidiu marcar a data no
Brasil com o festival que traz o tema "Pelos sonhos de todas as pessoas".





SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS (Solenidade)- “Em vós está a fonte da vida”


Considera, ó homem redimido, quem é aquele que por tua causa está pregado na cruz, qual a sua dignidade e grandeza. A sua morte dá a vida aos mortos; por sua morte choram o céu e a terra, e fendem-se até as pedras mais duras. Para que, do lado de Cristo morto na cruz, se formasse a Igreja e se cumprisse a Escritura que diz: Olharão para aquele que transpassaram (Jo 19,37), a divina Providência permitiu que um dos soldados lhe abrisse com a lança o sagrado lado, de onde jorraram sangue e água. Este é o preço da nossa salvação. Saído daquela fonte divina, isto é, no íntimo do seu Coração, iria dar aos sacramentos da Igreja o poder de conferir a vida da graça, tornando-se para os que já vivem em Cristo bebida da fonte viva que jorra para a vida eterna (Jo 4,14).
            Levanta-te, pois, tu que amas a Cristo, sê como a pomba que faz o seu ninho na borda do rochedo (Jr 48,28), e aí, como o pássaro que encontrou sua morada (cf. Sl 83,4), não cesses de estar vigilante; aí esconde como a andorinha os filhos nascidos do casto amor; aí aproxima teus lábios para beber a água das fontes do Salvador (cf. Is 12,3). Pois esta é a fonte que brota no meio do paraíso e, dividida em quatro rios (cf. Gn 2,10), se derrama nos corações dos fiéis para irrigar e fecundar a terra inteira.
            Acorre com vivo desejo a esta fonte de vida e de luz, quem quer que sejas, ó alma consagrada a Deus, e exclama com todas as forças do teu coração:“Ó inefável beleza do Deus altíssimo e puríssimo esplendor da luz eterna, vida que vivifica toda vida, luz que ilumina toda luz e conserva em perpétuo esplendor a multidão dos astros, que desde a primeira aurora resplandecem diante do trono da vossa divindade.  
            Ó eterno e inacessível, brilhante e suave manancial daquela fonte oculta aos olhos de todos os mortais! Sois profundidade infinita, altura sem limite, amplidão sem medida, pureza sem mancha!”
            De ti procede o rio que vem trazer alegria à cidade de Deus (Sl 45,5), para que entre vozes de júbilo e contentamento (cf. Sl 41,5) possamos cantar hinos de louvor ao vosso nome, sabendo por experiência que em vós está a fonte da vida, e em vossa luz contemplamos a luz (Sl 35,10).


(Das Obras de São Boaventura, bispo) 


domingo, 14 de junho de 2020

SAÚDE - Junho vermelho: a importância da doação de sangue


A campanha Junho vermelho é uma ação voltada à conscientização da população sobre a importância de doar sangue, que ocorre anualmente.
Ganhando mais espaço a cada edição, Junho Vermelho conta com uma crescente adesão dos meios de comunicação, levando mais informação às pessoas interessadas em colaborar.
A data tem um motivo: dia 14 de junho se comemora o Dia Mundial do Doador de Sangue, uma data definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em homenagem ao nascimento do imunologista austríaco Karl Landsteiner, responsável por descobrir os tipos sanguíneos.
Para quem realiza a ação, as mudanças podem ser pequenas, mas para quem recebe pode significar tudo: mais uma vida salva.
Aliás, uma não. A cada doação de sangue até 4 vidas podem ser salvas.
Pelo fato do sangue ser insubstituível à vida, as pessoas que por algum motivo, como acidentes ou doenças, precisam repô-lo ficam dependentes da solidariedade dos doadores.

Distanciamento social e companhia da fé. A Igreja fazendo sua parte.


CONSCIENTIZAÇÃO DO DÍZIMO/JULHO-2020


A pastoral do dízimo vai ao encontro de necessidade incontornável para a sustentação das estruturas pastorais.

A prática do dízimo serve para que o cristão se comporte diante deles com liberdade e manifeste grandeza de espírito. Não se apega aos bens terrestres como valores maiores da vida. Soam-lhe as palavras de Jesus. “Ninguém pode servir a dois senhores” e “vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Lc 16,13). Ao arrematar a reflexão, Jesus nos adverte: “Pois onde está o teu tesouro, ali também estará o teu coração”. Oxalá a comunidade de que participamos seja nosso tesouro e não o dinheiro, porque aí estará o centro de nossa pessoa.
O dízimo acorda o cristão para real participação na vida da comunidade.
“Dê cada um conforme o impulso do seu coração, sem tristeza nem constrangimento. Deus ama a quem dá com alegria.” (2Cor 9,7)

sábado, 13 de junho de 2020

Agradecimento especial as nossas comunidades que contribuíram com nosso Gesto Concreto promovido pela nossa paróquia, por ocasião da Festa de Corpus Christi. Deus seja louvado !


SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA (LISBOA), PRESBÍTERO E DOUTOR DA IGREJA (Memória)


"A palavra é viva quando são as obras que falam"

Quem está repleto do Espírito Santo fala várias línguas. As várias línguas são os vários testemunhos sobre Cristo, a saber: a humildade, a pobreza, a paciência e a obediência; falamos estas línguas quando os outros as veem em nós mesmos. A palavra é viva quando são as obras que falam. Cessem, portanto, os discursos e falem as obras. Estamos saturados de palavras, mas vazios de obras. Por este motivo o Senhor nos amaldiçoa, como amaldiçoou a figueira em que não encontrara frutos, mas apenas folhas. Diz São Gregório: “Há uma lei para o pregador: que faça o que prega”. Em vão pregará o conhecimento da lei quem destrói a doutrina por suas obras.
            Os apóstolos, entretanto, falavam conforme o Espírito Santo os inspirava (cf. At 2,4). Feliz de quem fala conforme o Espírito Santo lhe inspira e não conforme suas ideias! Pois há alguns que falam movidos pelo próprio espírito e, usando as palavras dos outros, apresentam-nas como suas, atribuindo-as a si mesmos. Destes e de outros semelhantes, diz o Senhor por meio do profeta Jeremias: Terão de se haver comigo os profetas que roubam um do outro as minhas palavras. Terão de se haver comigo os profetas, diz o Senhor, que usam suas línguas para proferir oráculos. Eis que terão de haver-se comigo os profetas que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, que os contam, e seduzem o meu povo com suas mentiras e seus enganos. Mas eu não os enviei, não lhes dei ordens, e não são de nenhuma utilidade para este povo – oráculo do Senhor (Jr 23,30-32).
            Falemos, portanto, conforme a linguagem que o Espírito Santo nos conceder; e peçamos-lhe humilde e devotamente que derrame sobre nós a sua graça, a fim de podermos celebrar o dia de Pentecostes com a perfeição dos cinco sentidos e na observância do decálogo. Que sejamos repletos de um profundo espírito de contrição e nos inflamemos com essas línguas de fogo que são os louvores divinos. Desse modo, ardentes e iluminados pelos esplendores da santidade, mereceremos ver o Deus Uno e Trino.
(Dos Sermões de Santo Antônio de Pádua, presbítero)
Nasceu em Lisboa (Portugal), no final do século XII. Foi recebido entre os Cônegos Regulares de Santo Agostinho, mas pouco depois de sua ordenação sacerdotal transferiu-se para a Ordem dos Frades Menores com a intenção de dedicar-se à propagação da fé entre os povos da África. Foi, entretanto, na França e na Itália que ele exerceu com excelentes frutos o ministério da pregação, convertendo muitos hereges. Foi o primeiro professor de teologia na sua Ordem. Escreveu vários sermões, cheios de doutrina e de unção espiritual. Morreu em Pádua no ano de 1231.

Liturgia: "De volta ao Tempo Comum"


A espiritualidade do Tempo Comum se inspira sobretudo nos evangelhos sinóticos (Mt, Mc, Lc) proclamados nesses domingos. Nesse ano de 2020, chamado ano A, acompanhamos o evangelho de Mateus. Pontualmente vai do domingo do batismo de Jesus, até a quarta-feira de Cinzas, e do domingo de Pentecostes até o primeiro domingo do Advento.
É um tempo de espiritualidade sacramental. Partimos do Batismo do Senhor e nosso, celebramos a festa do seu Corpo e Sangue, caminhamos com Ele rumo a sua Realeza, no último domingo desse tempo, na solenidade de Jesus Cristo Rei do universo.
É o Espírito nos conduzindo à comunhão da Trindade e à verdade plena, recordando-nos e ensinando-nos tudo o que o Senhor disse e fez. Vamos juntos, mesmo em tempo de pandemia com confiança na providência Divina que age o tempo todo.
Pascom-SJO

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Milagres Eucarísticos


Muitos são os milagres Eucarísticos espalhados pelo mundo. Um dos mais conhecidos aconteceu em uma pequena cidade da Itália, chamada Lanciano, em meados do século 8. Um padre que não acreditava na presença real de Jesus na comunhão vivenciou algo inexplicável durante a celebração de uma missa. A hóstia se converteu em carne, mais precisamente em um tecido que recobre o coração humano. O vinho se tornou sangue, e coagulou. As relíquias deste milagre existem até hoje, e intrigam especialistas e até mesmo pessoas que não acreditam em Jesus.                                                                    (Pascom-SJO)

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Comunhão Espiritual


A espiritualidade de Corpus Christi

 A nossa ausência em nossas igrejas e a impossibilidade de hoje comungarmos a Eucaristia são um SINAL importante para nós mesmos.
Qual o lugar que a Eucaristia realmente ocupa em nossa vida? Por que a imensa maioria das pessoas não comungam? Que falta realmente a Eucaristia está nos fazendo (se é que está)?
Não podendo comungar da presença real de Cristo na Eucaristia, lembremos da sua presença igualmente real na pessoa dos pobres e necessitados. Todos sabemos que a necessidade do isolamento social para conter a propagação do coronavírus e possibilitar os hospitais de socorrerem os infectados tem como consequência direta o enfraquecimento da economia no mundo todo. São empresas que fecham, ou que demitem, ou que diminuem os salários dos seus funcionários. Isso significa o aumento da fome ao nosso redor.    
Pe. Eduardo na Homilia de Corpus Christi
Repetidas vezes, o Papa Francisco nos convidou a “tocar com fé a carne de Cristo em tantas pessoas que sofrem”. Se hoje nossas mãos não poderão se estender para receber o Corpo de Cristo, elas poderão diariamente se estender para socorrer os necessitados à nossa volta. E como é verdade que “nem só de pão vive o homem”, podemos oferecer às pessoas à nossa volta o pão do nosso diálogo, do nosso perdão, do nosso ombro amigo, dos nossos ouvidos abertos para ouvir quem precisa falar, das nossas orações por aqueles que necessitam etc.
 (Pascom-SJO)

Anuncia-me pelas redes: “Uma necessidade Eclesial”



Aquele irmão ou irmã que tira fotos, escreve nas redes sociais ou faz os anúncios nas celebrações se tornou, declaradamente, elo entre o povo isolado e as comunidades. Estamos falando da Pastoral da Comunicação, mais conhecida como PASCOM. Não é uma pastoral a mais, mas aquela que integra todas as demais pastorais e movimentos.
Assistir à missa de domingo e meio de semana online e ao vivo é uma alternativa durante o isolamento social promovido para a contenção da transmissão do novo coronavírus. A medida fez com que as igrejas católicas cancelassem as celebrações eucarísticas com a presença do público, para evitar o contato físico entre os fiéis. No
entanto, as missas continuam sendo celebradas normalmente nas paróquias, a portas fechadas. Para levar um momento de fé aos cristãos que estão em casa, equipes ligadas ao setor de comunicação de nossa paróquia não vêm medindo esforços no aprimoramento deste trabalho, juntamente com as equipes de celebração. Sem dúvida, um trabalho louvável, pois é sabido que em muitas paróquias, padres estão recorrendo a “terceirização” deste trabalho de transmissão, devido à falta de voluntários. Nada contra, porém, somente para ilustrar o trabalho pastoral. Acreditamos na espiritualidade que nos vem através dos meios de comunicação. É uma experiência nova e diferente para nós, mas, com espírito de unidade e com o desejo de aprimorar sempre, esperamos que os fiéis se sintam integrados e vivam conosco as celebrações que nos sustentam neste tempo. 
(Pascom-SJO)


terça-feira, 9 de junho de 2020

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA, PRESBÍTERO- (Apóstolo do Brasil-09 de Junho)


“Nada é árduo aos que têm por fim somente a honra de Deus e a salvação das almas”
De outros muitos poderia contar, máxime escravos, dos quais uns morrem batizados de pouco, outros já há dias que o foram; acabando sua confissão vão para o Senhor. Pelo que, quase sem cessar, andamos visitando várias povoações, assim de Índios como de Portugueses, sem fazer caso das calmas, chuvas ou grandes enchentes de rios,e muitas vezes de noite por bosques mui escuros a socorrermos aos enfermos, não sem grande trabalho, assim pela aspereza dos caminhos, como pela incomodidade do tempo, máxime sendo tantas estas povoações e tão longe umas das outras, que não somos bastantes a acudir tão várias necessidades, como ocorrem, nem mesmo que fôramos muito mais, não poderíamos bastar. Ajunta-se a isto, que nós outros que socorremos as necessidades dos outros, muitas vezes estamos mal dispostos e, fatigados de dores, desfalecemos no caminho, de maneira que apenas o podemos acabar; assim que não menos parecem ter necessidade de ajuda os médicos que os mesmos enfermos. Mas nada é árduo aos que têm por fim somente a honra de Deus e a salvação das almas, pelas quais não duvidarão dar a vida. Muitas vezes nos levantamos do sono, ora para os enfermos, ora para os que morrem.
Hei me detido em contar os que morrem, porque aquele se há de julgar verdadeiro fruto que permanece até o fim; porque dos vivos não ousarei contar nada, por ser tanta a inconstância em muitos, que não se pode nem se deve prometer deles coisa que haja muito de durar. Mas bem-aventurados aqueles que morrem no Senhor (Ap 14,13), os quais livres das perigosas águas deste mudável mar, abraçada a fé e os mandamentos do Senhor, são transladados à vida, soltos das prisões da morte, e assim os bem-aventurados êxitos destes nos dão tanta consolação, que pode mitigar a dor que recebemos da malícia dos vivos. E contudo trabalhamos com muita diligência em a sua doutrina, os admoestamos em públicas predicações e particulares práticas, que perseverem no que têm aprendido. Confessam-se e comungam muitos cada domingo; vêm também de outros lugares onde estão dispersados a ouvir as Missas e confessar-se.
Das Cartas de São José de Anchieta ao Prepósito-Geral Diego Láyñez
(Carta de 1º de junho de 1560; cf. Serafim da Silva Leite SJ, Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil, vol. 3 (1558- 1563),São Paulo 1954, p.253-255)
(Séc.XVI)



sexta-feira, 5 de junho de 2020

EDITORIAL: Boas novas do mês de Junho

Márcio Neves-(Pascom-SJO)
Saudações aos nossos Leitores! Tendo em mente as importantes comemorações do mês de junho, muitas vezes nos lembramos apenas das festas juninas, mas devemos também aproveitar este mês para uma verdadeira reflexão de devoção e fé, um período para nos mantermos firmes na oração, principalmente neste tempo de pandemia. 
Uma referência ao trabalho de Comunicação da Igreja (Pascom) que neste tempo ganhou maior visibilidade principalmente no setor de transmissões online. Muitos padres que tiveram que ceder ao mundo da tecnologia para poder chegar a seu rebanho. A verdade é que é um período no qual todos fazem algum tipo de sacrifício para manter a chama da fé viva. Neste propósito, celebramos  na festa da Ascensão o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Com o tema “Para que possas contar e fixar na memória” (Ex 10, 2). A vida se faz história”, Papa Francisco dedicou a mensagem deste ano ao tema da narração.
O mês de junho é dedicado ao Sagrado Coração de Jesus. O dia do Sagrado Coração de Jesus é comemorado sempre na segunda sexta-feira após o dia de Corpus Christi (Ssmo Corpo Sangue de Cristo). Sendo que no dia seguinte celebramos o Imaculado Coração de Maria. Porém existe uma informação importante sobre esta devoção, pois dentro da tradição da Igreja também devemos dar graças ao Sagrado Coração de Jesus toda primeira sexta-feira do mês em oração lembrando de suas promessas para a humanidade. Liturgicamente voltamos ao Tempo Comum.
Como celebramos na semana passada, na festa de Pentecostes, o Pai e o Filho escolheram habitar no coração humano por meio do Espírito Santo. Com alegria neste domingo, (07) celebraremos a Solenidade da Santíssima Trindade.
Teremos neste mês o momento mariano com a festa de Nossa Senhora Rainha da Paz é comemorada no dia 25 de junho, sendo este um dia para orarmos a Maria em pedidos pela paz para a humanidade. O dia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é 27 de junho, apesar de todo dia ser dia de orar por Maria, é um dia importante para seus fiéis devotos refletirem em oração.
Apesar de haver outros santos que comemoramos durante o mês de junho, durante este período três devoções extremamente populares se destacam, Santo Antônio, São João e São Pedro, sendo muito comemorados ao longo do mês em festas.
Finalizando, o momento é propício para reforçarmos que o nosso cristianismo não é feito apenas de preceitos, mas, sobretudo de vida. E de nada adianta chorarmos a falta da eucaristia se não nos fazemos eucaristia na vida dos outros através das nossas orações e das nossas ações.
Por hora, continuaremos celebrando de forma online em nossas casas, pedindo ao Senhor que em breve possamos comunicar a reabertura de nossa igreja.
Abraço fraterno a todos.
Sempre no carinho maternal de Maria,
Márcio

Situação da Igreja Católica na China


“Situação da Igreja perseguida piorou”, após acordo entre Santa Sé e Pequim, denuncia padre “clandestino” à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). É uma mensagem curta, mas dura sobre a atual situação da Igreja, vinte meses após a assinatura do acordo provisório entre a Santa Sé e as autoridades de Pequim para a nomeação de bispos para as comunidades católicas na China.
Um sacerdote da chamada Igreja Clandestina enviou uma mensagem para a Fundação AIS em Lisboa e afirma, sem margem para dúvidas, que, “ao longo destes 20 meses de Acordo Provisório”, a situação “da Igreja perseguida veio a piorar”.
O padre “Pedro” – cuja verdadeira identidade não pode ser revelada por questões de segurança – acusa mesmo as autoridades de Pequim de pretenderem “enganar” os membros da Igreja para aderirem à Associação Patriótica, criada pelo governo para a tutela dos assuntos relacionados com a comunidade católica.

CAMPANHA DO AGASALHO 2020 - "A importância de doar"



"Com solidariedade e amor é possível transformar o frio em calor".

As pessoas que decidem doar agasalhos conseguem mais espaço livre, por exemplo: muitas vezes, existem diversas roupas que estão sem uso há anos e até mesmo acumulando ácaros. É claro que tantas peças acumuladas também farão com que o ambiente fique desorganizado e não haverá espaço para que se coloquem outras roupas mais novas.
Doar agasalhos também tem a capacidade de fazer com que o indivíduo se sinta mais humano. Afinal, todos sabem como é difícil sentir frio, além dos males à saúde. Dessa maneira, é certo que fazer a doação dessas roupas fará com que o doador sinta que está tendo utilidade para outra pessoa alcançar o bem-estar.
É por isso que entender a importância de doar é indispensável para que as pessoas fiquem mais envolvidas. De fato, os benefícios de fazer a doação de agasalhos não são somente para aqueles que recebem: até mesmo aqueles que doam têm muito retorno.
#regiaodoretiro #campanhadoagasalho #gruposol #solidariedade

terça-feira, 2 de junho de 2020

Contribuição do Dízimo - Paróquia São José Operário


Mensagem de Esperança (Grupo de Oração São Gabriel)


Vivemos dias de ansiedade, medo, insegurança...distantes fisicamente da família, amigos, Igreja... do Pão Eucarístico! Sem trabalho, vendo doença e mortes! Vamos perdendo a Esperança, a paz, a alegria... E no CIC 1818 diz que justamente a Esperança é a virtude que corresponde a nossa busca pela Felicidade! Claro que encontramos Felicidade nas conquistas do mundo, mas esquecemos que é passageiro e incerto! E que a verdadeira Felicidade está em Deus!  Esperança não é esperar! Esperança é ação, é a força que nos lança em direção a Felicidade que tanto queremos! Nós, da Renovação Carismática, nesses tempos online, buscamos o Pão da Palavra, Formações, Pregações, Partilhas e é claro, a Oração! Busque também fortalecimento nesses tempos ruins! Alimento sólido! E reze! Dobramos os joelhos pela Fé, mas é pela Esperança que insistimos na Oração! Não percamos a Esperança... a paz... a alegria... não percamos a Felicidade que vem de Deus!
(RCC- Grupo de Oração São Gabriel)

Junho: mês dedicado ao Sagrado Coração de Jesus


Oração de  Oferecimento diário ao Sagrado Coração de Jesus

Deus nosso Pai eu te ofereço todo o dia de hoje: minhas orações e obras, meus pensamentos e palavras, minhas alegrias e sofrimentos, em reparação de nossas ofensas, em união com o Coração de teu Filho Jesus, que continua à oferecer-se a ti na Eucaristia, ela salvação do mundo. Que o Espírito Santo, que guiou a Jesus, seja meu guia e meu amparo neste dia para que eu possa ser testemunha do teu amor, com Maria, Mãe de Jesus e da igreja, rezo especialmente pela intenção do Santo Padre para este mês:
Para que aqueles que sofrem encontrem caminhos de vida, deixando-se tocar pelo Coração de Jesus. Amém
️Pai Nosso
Ave Maria
Glória ao Pai