Instituição Religiosa-Igreja Católica-Paróquia São José Operário Tel.4582-5091- Retiro Jundiaí

Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)

Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)
Tania e Vânia (Sec. Paroquial) - Milena (Sec. Capela São Gabriel)

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Dom Vicente faz 72 anos de vida no primeiro dia de 2019

Bispo da Diocese de Jundiaí desde 2009, Dom Vicente faz 72 anos de vida no primeiro dia de 2019

No primeiro dia de 2019, Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, Dom Vicente Costa - que desde dezembro de 2009 é Bispo da Diocese de Jundiaí - completará 72 anos de idade.

Nasceu no dia 1º de Janeiro de 1947 na República de Malta, país localizado no Sul da Europa, onde morou até concluir a Faculdade de Filosofia.

No Brasil, ele chegou em 1969, quando ingressou na Faculdade de Teologia, em Curitiba, no Paraná, Estado em que ocupou vários cargos religiosos até ser nomeado Bispo-Auxiliar da Arquidiocese de Londrina, em 1998, pelo Papa João Paulo II.
       
Antes de ser nomeado pelo Papa Bento XVI como Bispo Diocesano de Jundiaí, Dom Vicente já tinha exercido o mesmo cargo também no Paraná, na Diocese de Umuarama.

Os paroquianos da Paróquia São José Operário expressa por meio desta as felicitações e votos de muita saúde para conduzir o rebanho de Deus a ele confiado.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Projeto Cesta de Três

ESPORTE

O projeto CESTA DE TRÊS, em conjunto com a Associação de Moradores da Região do Retiro, Prefeitura Municipal (UGEL), Governo do Estado de São Paulo e Empresa FINI. Oferece gratuitamente a "Escolinha de Basquete", no Centro Esportivo Benedito de Lima.

Inscrição:

Data: 05 de JANEIRO
Horario: 17:15h
Local: CECE Benedito de Lima

"Crianças de 8 á 12 anos."

O projeto tem por finalidade fomentar o esporte, através de ações educacionais que buscam a formação, informação e desenvolvimento da criança.

#regiaodoretiro #esporte #basquete #projetocestadetres

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

O Natal de todos nós!

Nasceu o Amor!
Feliz e Santo Natal!
O Menino Jesus encontre abrigo em nosso ♡ e posso se sentir amado por nós.
Ele é o Amor revelado do Pai!

domingo, 16 de dezembro de 2018

JUBILEU DE OURO:História - Desde 8 de dezembro de 1968

Réplica da "Igrejinha" fundada as margens da Rod. Anhanquera


O tradicional Bairro do Retiro, de Jundiaí, experimentou um grande crescimento a partir dos anos de 1960, por essa razão, a comunidade Católica reunida construiu a Igreja dedicada a São José Operário, em homenagem a todos os trabalhadores que ajudaram a erguer o templo.
Em 8 de dezembro de 1968, o então Bispo Diocesano de Jundiaí, Dom Gabriel Paulino Bueno Couto,OCarm, instalou a Paróquia, nomeando para primeiro pároco, o Padre Ladislau Obora, SDB.À época, a Paróquia compreendia um vasto território, que atualmente  corresponde às Paróquias São Pedro  Apóstolo e Santa Rosa de Lima. Pouco tempo depois, assumiu o segundo pároco, Padre José das Neves Vailatti, o conhecido Pai Zé, que por ali permaneceu por 16 anos, marcando profundamente a vida e a pastoral paroquial.
Só em 1987, iniciou a construção de um novo templo. A igreja que existia quando da criação da Paróquia ficava onde hoje se encontra um Supermercado do bairro. Em 30 de Abril de 1995, Dom Roberto Pinarello de Almeida, segundo Bispo Diocesano dedicou a nova igreja.
Atualmente exercem seu ministério na Paróquia São José Operário o Padre Daniel dos Santos Rosa e o Diácono Permanente Dirceu Orlato.
Nos dias atuais, a Paróquia São José Operário compreende as Comunidades Matriz, Cristo Rei, Santa Cruz ,São Gabriel Arcanjo e recentemente a comunidade N. S. Aparecida no Clube Uirapuru.

Fonte: Revista Comemorativa do Jubileu de Ouro da Diocese de Jundiaí-Colaboração-Pascom-SJO


Paróquia São José Operário: 50 anos de graças


quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Querigma 2018- Acolher é a palavra do momento




Jovens de nossa paróquia estiveram neste final de semana vivendo a experiencia do Querigma em nossa paróquia. Encontro este direcionado a jovens dispostos a acolher o anuncio que o próprio Cristo direciona.
A experiência pastoral nos mostra que os Jovens querem e esperam ser acolhidos pela Igreja. Eles desejam ser Igreja; mas a Igreja precisa também ser Jovem, como tão bem admoestou São João Paulo II. Nós precisamos acolher e abrir os nossos corações para os nossos Jovens. A Igreja deve ser para eles uma casa de acolhimento, fraternidade, esperança, afeto, ternura e muita confiança. Confiemos na nossa Juventude! “Deixemos que os Jovens invadam a Igreja!” Permitamos que eles, a partir do encontro com Jesus Cristo, na Igreja, sejam Sal da Terra e Luz do Mundo (Mt 5,13), como Discípulos Missionários de Jesus Cristo. Deixemos que eles sejam “seguidores do Senhor!” A nossa opção preferencial pela Juventude tem que ser afetiva e efetiva; pois a Igreja, que é Mãe e Mestra, cuida e ensina para que a Juventude se encante e saiba a alegria de amar e testemunhar o que é próprio do Reino de Deus.
Agradecimentos especiais ao jovens participantes e a toda equipe de trabalho que levam adiante este projeto de evangelização.

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Presidente da CNBB fala sobre a expectativa do Advento


Ficai atentos e orai!

Estamos iniciando o novo Ano Litúrgico, com a celebração do primeiro domingo do Advento, tempo de preparação para a solenidade do Natal. Além disso, de acordo com o espírito deste tempo litúrgico, precisamos também nos preparar para o encontro definitivo com o Senhor. A Liturgia da Palavra nos mostra como deve ser a nossa preparação para a vinda do Senhor.
O profeta Jeremias (Jr 33,14-16) anuncia a esperança messiânica, num tempo muito difícil para o povo, após a destruição de Jerusalém e do templo pelo império babilônico. Àqueles que estavam com a fé abalada, o profeta proclama que Deus cumpre as suas promessas. O Messias virá salvar e realizar a Justiça. No mundo de hoje, busca-se desfrutar, ao máximo, o presente e tudo alcançar rapidamente, o que dificulta a vivência da espera serena e perseverante. Neste Advento, somos convidados a cultivar a espera paciente e a alegre esperança do Senhor que vem ao nosso encontro.
No Evangelho, Jesus Cristo nos diz: “ficai atentos e orai a todo o momento” (Lc 21, 34). Ao invés do medo, a nossa atitude deve ser a vigilância sobre a própria conduta e a oração, assim como, a prontidão e a confiança em Deus, segundo a palavra proclamada: “levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima” (Lc 21,28). A Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses nos exorta a viver “na santidade, sem defeito aos olhos de Deus”, através do amor entre nós e para com todos (1Ts 3,12). Ninguém deverá jamais acomodar-se em seu caminho de vida cristã, mas deverá crescer sempre em santidade, “fazendo progressos ainda maiores”. Para tanto, nós suplicamos com o salmista: “mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada!” (Sl 24). Necessitamos muito da sabedoria e da graça de Deus para viver bem este Advento e, assim, preparar bem o nosso encontro com o Senhor.
Além da vivência pessoal do Advento, é importante preparar-se para o Natal em família e em comunidade. Por isso, procure participar da preparação do Natal na sua paróquia, comunidade ou quadra, rezando em família e com as famílias vizinhas.
Neste período, em todo o Brasil, realiza-se a Campanha para a Evangelização, a ser concluída no dia 16, terceiro domingo do Advento, com uma coleta, lembrando que todos nós somos responsáveis pela evangelização e, por isso, devemos oferecer também a nossa partilha para a sustentação da ação evangelizadora da Igreja. Procure evangelizar, por sua palavra e testemunho de vida, ajudando sua família e sua comunidade a preparar-se bem para o Natal.

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

Caminho Neocatecumenal realiza Anúncio do Advento 2018



Como você espera que Cristo lhe encontre?

A fé cristã está continuamente a despertar-nos para ela. Há momentos privilegiados para isso. Os tempos litúrgicos natalinos e o início de ano falam bem alto desse sentimento tão humano e cristão. 

Nesse estiveram presentes na paróquia São José Operário nesta quinta,29 catequistas das primeiras comunidades e também comunidades da paróquia Santo Antonio do bairro Anhangabaú.
O Advento tem o sabor de silêncio, de recolhimento, de espera na oração. Em vez de fechar-nos no pequeno mundo dos problemas pessoais e familiares, a oração lança-nos para além dele e assim alcança tantos irmãos, necessitados de apoio.
Ao iniciarmos hoje o tempo do advento, que possamos percorrer este caminho como ele verdadeiramente deve ser, o caminho do homem em pé, do homem acordado, do homem que ora com esperança, sustentado por esta certeza: “Cristo virá para salvar aqueles que o esperam” (cf. Hb 9,28). Ele disse que quer nos encontrar em pé, e não caídos "a beira do caminho". Ainda que às vezes enfrentemos fortes tempestades e que os ventos contrários nos curvem até o chão, sejamos como o babu: podemos até ser curvados ao chão, mas jamais nos quebraremos; jamais ficaremos caídos, prostrados ao chão, derrotados pelo desânimo. A força da esperança nos haverá nos levantar novamente. Enfim, como desejou o apóstolo Paulo, que Cristo, ao chegar “com todos os seus santos”, encontre os nossos corações marcados por uma “santidade sem defeito aos de Deus, nosso pai” (cf. 1Ts 3,13).




por Márcio Neves-Pascom

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Diocese de Jundiaí-Comunicado Oficial

DIOCESE DE JUNDIAÍ INFORMA:

Jundiaí, 27 de novembro de 2018.

Amados devotos da Mãe Aparecida, alegria e paz!
Nesta data Dom Vicente Costa, Bispo da Diocese de Jundiaí, anunciou a transferência de alguns presbíteros, prevista para o princípio do próximo ano:

Nosso Vocacionado do Ano Pastoral, Seminarista João Renan Paísca Bersan, será ordenado Diácono no próximo dia 30 de dezembro no Santuario, e exercerá o seu ministério diaconal na Paróquia São Pedro, na Cidade de São Pedro, em Santana de Parnaíba.

E eu, Padre Márcio Felipe de Souza Alves, fui nomeado pároco da Catedral Nossa Senhora do Desterro.

O novo Pároco e Reitor da Paróquia Santuário Nossa Senhora Aparecida será o Padre Alberto Simionato, atualmente Reitor do Seminário Diocesano Nossa Senhora do Desterro - Núcleo Filosófico Dom Joaquim Justino Carreira - em Jundiaí.

Conto com a oração de todos vocês!

No Espírito de Jesus,

Pe. Márcio Felipe de Souza Alves
Pároco eleito da Catedral

Pré Inscrição EJA -Sala Diógenes 2019

COMUNICADO IMPORTANTE:

Associação de Moradores da Região do Retiro e Escola Estadual Diógenes Duarte Paes, iniciam a segunda etapa da Pré-inscrição do Programa EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Você que ainda nao se inscreveu ou que ficou devendo algum documento obrigatório, haverá pontos descentralizados para fazer a pré-inscrição no Programa.

Acompanhe as datas, horários e locais mais próximos da sua casa para fazer a sua  pré-inscrição.

Documentos CÓPIA obrigatório:

●Documento com foto;
●Comprovante de residência;
●Histórico ou declaração Escolar;

A Associação em conjunto com a Escola Estadual Diógenes, tem por finalidade, proporcionar acesso a educação com qualidade e responsabilidade a todos e a todas.

#regiaodoretiro #educação #diógenes #eja

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

12 de outubro: O jeito da mãe


Neste dia especial, em que comemoramos a festa da padroeira do Brasil e também o dia das crianças, voltemos nosso olhar em direção a Mãe Aparecida.
Sendo mãe, Maria não fica indiferente diante da dor e do sofrimento de seus filhos. Ao contrário, Ela é a mulher da prontidão, apressada no servir (cf. Lc1, 38-45). Apressadamente: não é só a velocidade com que Maria anda, mas a atenção cuidadosa com a qual enfrenta a viagem, o seu entusiasmo em cuidar de alguém que exigia a sua presença. Na pressa de Maria reconhecemos a urgência missionária da Igreja. 
A devoção mariana deve inspirar o agir materno da Igreja. Como nos lembra o Papa Francisco: “É fundamental a proximidade da Igreja. Porque a Igreja é mãe, e nem você nem eu conhecemos uma mãe por correspondência. A mãe… dá carinho, toca, beija, ama. Quando a Igreja, ocupada com mil coisas, se descuida dessa proximidade e só se comunica com documentos, é como uma mãe que se comunica com seu filho por carta”. Neste sentido podemos afirmar que a devoção mariana com sua diversidade de títulos e invocações tem algo em comum que é lembrar à Igreja esse seu modo materno de ser.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Assunção da Mãe de Deus

Da Constituição Apostólica Munificentíssimus Deus, do papa Pio XII
(AAS42 [1950], 760-762. 767-769)                 (Séc.XX)

Teu corpo é santo e cheio de glória
Nas homilias e orações para o povo na festa da Assunção da Mãe de Deus, santos padres e grandes doutores dela falaram como de uma festa já conhecida e aceita. Com a maior clareza a expuseram; apresentaram seu sentido e conteúdo com profundas razões, colocando especialmente em plena luz o que esta festa temem vista: não apenas que o corpo morto da Santa Virgem Maria não sofrera corrupção, mas ainda o triunfo que ela alcançou sobre a morte e a sua celeste glorificação, a exemplo de seu Unigênito, Jesus Cristo. 
São João Damasceno, entre todos o mais notável pregoeiro desta verdade da tradição, comparando a Assunção em corpo e alma da Mãe de Deus com seus outros dons e privilégios, declarou com vigorosa eloquência: “Convinha que aquela que guardara ilesa a virgindade no parto, conservasse seu corpo, mesmo depois da morte, imune de toda corrupção. Convinha que aquela que trouxera no seio o Criador como criancinha fosse morar nos tabernáculos divinos. Convinha que a esposa, desposada pelo Pai, habitasse na câmara nupcial dos céus. Convinha que, tendo demorado o olhar em seu Filho na cruz e recebido no peito a espada da dor, ausente no parto, o contemplasse assentado junto do Pai. Convinha que a Mãe de Deus possuísse tudo o que pertence ao Filho e fosse venerada por toda criatura como mãe e serva de Deus”. 
São Germano de Constantinopla julgava que o fato de o corpo da Virgem Mãe de Deus estar incorrupto e ser levado ao céu não apenas concordava com sua maternidade divina, mas ainda conforme a peculiar santidade deste corpo virginal: “Tu, está escrito, surges com beleza (cf. Sl 44,14); e teu corpo virginal é todo santo, todo casto, todo morada de Deus; de tal forma que ele está para sempre bem longe de desfazer-se em pó; imutado, sim, por ser humano, para a excelsa vida da incorruptibilidade. Está vivo e cheio de glória, incólume e participante da vida perfeita”. 
Outro antiquíssimo escritor assevera: “Portanto, como gloriosa mãe de Cristo, nosso Deus salvador, doador da vida e da imortalidade, foi por ele vivificada para sempre em seu corpo na incorruptibilidade; ele a ergueu do sepulcro e tomou para si, como só ele sabe”. 
Todos estes argumentos e reflexões dos santos padres apóiam-se como em seu maior fundamento nas Sagradas Escrituras. Estas como que põem diante dos olhos a santa Mãe de Deus profundamente unida a seu divino Filho, participando constantemente de seu destino. 
De modo especial é de lembrar que, desde o segundo século, os santos padres apresentam a Virgem Maria qual nova Eva para o novo Adão: intimamente unida a ele – embora com submissão – na mesma luta contra o inimigo infernal (como tinha sido previamente anunciado no proto-evangelho [cf. Gn 3,15]), luta que iria terminar com a completa vitória sobre o pecado e a morte, coisas que sempre estão juntas nos escritos do Apóstolo das gentes (cf. Rm 5 e 6; 1Cor 15,21-26.54-57). Por este motivo, assim como a gloriosa ressurreição de Cristo era parte essencial e o último sinal desta vitória, assim também devia ser incluída a luta da santa Virgem, a mesma que a de seu Filho, pela glorificação do corpo virginal. O mesmo Apóstolo dissera: Quando o que é mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá o que foi escrito: A morte foi tragada pela vitória (1Cor 15,54; cf. Os 13,14). 
Por conseguinte, desde toda a eternidade unida misteriosamente a Jesus Cristo, pelo mesmo desígnio de predestinação, a augusta Mãe de Deus, imaculada na concepção, virgem inteiramente intacta na divina maternidade, generosa companheira do divino Redentor, que obteve pleno triunfo sobre o pecado e suas consequências, ela alcançou ser guardada imune da corrupção do sepulcro, como suprema coroa dos seus privilégios. Semelhantemente a seu Filho, uma vez vencida a morte, foi levada em corpo e alma à glória celeste, onde, rainha, refulge à direita do seu Filho, o imortal rei dos séculos.

Por que se consagrar à Virgem Maria?


Por que se consagrar a Maria? Não seria melhor ir diretamente a Jesus? Ora, quem se dá conta de nossa triste condição de pecadores bem sabe que, embora o queiramos muito, entregar-se a Deus com plena confiança é um trabalho que em muito supera nossas forças.
É por isso que ele quis dar-nos Maria, para que ela, recebendo-nos como pequena oferenda, nos apresente a Cristo, purificados e embelezados pelas mãos virginais de uma Mãe Imaculada.
Depois de tudo quanto vimos até agora, parece não haver motivos de peso para não se consagrar à Virgem Santíssima. Ao lhe entregarmos tudo, nós nada perdemos, senão que muito lucramos, despojados de nossos bens, vivendo só por ela, com ela e nela. Ainda assim, vale a pena repassar as principais razões elencadas por São Luís Maria Grignion de Montfort em seu Tratado que nos recomendam vivamente essa devoção. Vejamos, de modo bastante resumido, o que São Luís nos diz a esse respeito.
A consagração plena a Nossa Senhora, diz ele, nos põe inteiramente ao serviço de Deus e constitui um meio admirável de sermos fiéis e perseverantes na virtude. Com efeito, todos os que temos a graça de crer desejamos ser de Jesus Cristo. No entanto, por causa de nossa debilidade e inconstância, muitas vezes descumprimos nossos propósitos e, cedendo pouco a pouco a nossas paixões e maus desejos, voltamos à mesma vida de pecado que tínhamos antes da conversão. De manhã nos oferecemos a Deus, e à noite já nos pedimos de volta. Falta-nos, pois, aquela liberdade interior, aquela firme resolução de tudo entregar a Deus.
Mas por que, poderíamos perguntar, Maria é um caminho tão eficaz, um instrumento tão útil para superarmos tais obstáculos? Aqui é preciso lembrar que, ao pecarem, Adão e Eva, criados amigos e familiares de Deus, passaram a vê-lo como um inimigo, uma figura temível e agressiva. Foi por isso que, ao lhe ouvirem os passos no jardim do Éden, à hora da brisa da tarde, nossos primeiros pais se esconderam de sua face, no meio das árvores do jardim (cf. Gn 3, 8). Enganados pela antiga serpente, compraram a mentira de que o Senhor, na verdade, era um “embusteiro”, que bem sabia que, no dia em que comessem do fruto proibido, seus olhos se abririam e eles seriam como deuses (cf. Gn 3, 5).
Manchados pelo pecado original, também nós herdamos esta disposição a olhar para Deus como um inimigo, um “mentiroso” indigno de nossa fé e confiança. Ora, a solução que o próprio Senhor encontrou para esta triste queda foi pôr ódios e inimizades entre a mulher e a serpente, entre a descendência desta e a daquela (cf. Gn 3, 15). Por ser Mãe e ter um Coração terníssimo, Maria, prefigurada pela antiga Eva, faz cair todas as resistências; ela nos atrai para o amor e para o serviço, ajuda-nos a entregar de coração todo o nosso ser a Deus. Quem recearia entregar a uma Mãe tão boa, cheia de misericórdia e doçura, todos os seus bens, familiares, saúde, dinheiro, boa fama etc.? Acaso não nos é mais fácil conseguir o que queremos ou precisamos de nosso pai se primeiro recorremos à nossa mãe? Se é assim na ordem natural, por que haveria de ser diferente na ordem da graça e das necessidades do espírito? Se temos medo de dar tudo a Deus, entreguemo-nos primeiro a Maria, que, sendo a mais humildes das servas, há de entregar-nos a Jesus. Ela, escreve o santo de Montfort,
[...] nada retém para si do que lhe ofertamos. Tudo remete fielmente a Jesus.  Se algo lhe damos a ela, damos necessariamente a Jesus. [...] Quando apresentamos alguma coisa a Jesus, de nossa própria iniciativa e apoiados em nossa capacidade e disposição, Jesus examina o presente, e muitas vezes o rejeita em vista das manchas que a dádiva contraiu do nosso amor-próprio, como antigamente rejeitou os sacrifícios dos judeus por estarem cheios de vontade próprias. Quando, porém, lhe apresentamos algo pelas mãos puras e virginais de sua bem-amada, tomamo-lo pelo seu lado fraco [...]. Ele não considera tanto a oferta que lhe fazemos como sua boa Mãe que lha apresenta; não olha tanto a procedência do presente como a portadora [1].
Ao contrário de Eva, que viu o fruto proibido e o tomou para proveito próprio, Maria olha para o fruto bendito de seu ventre e não o guarda para si; antes, entrega-o ao Pai com generosidade e desprendimento. Com quanta razão, portanto, nos devemos dar por inteiro a Nossa Senhora! Ela olhará para o fruto pobre e bichado de nossas obras, de todo o nosso ser, e o remeterá, purificado e embelezado, ao seu querido Filho. Consagrar-se inteiramente a Maria é ser conduzido por ela, do modo mais fácil, curto, perfeito e seguro, a uma união mais íntima e profunda com Nosso Senhor [2].
Referências
São Luís M.ª G. de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem. 39.ª ed., Petrópolis: Vozes, 2009, pp. 142-143, n. 147.
Cf. Id., p. 145, n. 152


sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Padre Márcio Odair assume paróquia Dom Bosco no bairro Eloy Chaves

Padre Marcio Odair será o novo Pároco da Paróquia Dom Bosco(Eloy Chaves) integrando-se a nossa Região Pastoral V.
Veja nota abaixo:

Boa noite irmãos

Com muita alegria, partilho com todos vocês a missão que recebi da Igreja, por meio de nosso querido Bispo Diocesano, Dom Vicente Costa.

Peço-lhes que rezem por nossa Igreja particular de Jundiaí, rezem pelo querido amigo e irmão Pe. Agnaldo, que assumirá a Paróquia Nossa Senhora do Monte Serrat, e por mim que, com muita alegria, recebi a graça de ser pároco da Paróquia de São João Bosco, em Jundiaí.
Que Deus nos abençoe no seu Amor, hoje e sempre!

https://dj.org.br/comunicado-oficial-2/

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Conheça a História e o sentido do diaconato permanente

O primeiro mártir da Igreja foi um diácono (Santo Estêvão). O termo "diácono" aparece 29 vezes nos Evangelhos. São Francisco de Assis foi diácono. Ainda assim, muitos católicos não fazem ideia do que seja um diácono...
Na Igreja primitiva, o diaconato foi criado pelos Apóstolos para permitir que os presbíteros (sacerdotes) pudessem se concentrar na essência de seus deveres sacerdotais. Enquanto isso, os diáconos assumiam a liderança das funções administrativas e caritativas da Igreja. Isso está descrito no livro dos Atos:
"Naqueles dias, como crescesse o número dos discípulos, houve queixas dos gregos contra os hebreus, porque as suas viúvas teriam sido negligenciadas na distribuição diária. Por isso, os Doze convocaram uma reunião dos discípulos e disseram: Não é razoável que abandonemos a palavra de Deus, para administrar. Portanto, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarregaremos este ofício. Nós atenderemos sem cessar à oração e ao ministério da palavra. Este parecer agradou a toda a reunião. Escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo; Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia. Apresentaram-nos aos apóstolos, e estes, orando, impuseram-lhes as mãos." (Atos 6, 1-6)
Com o passar do tempo, os diáconos concentraram grande poder, pois eram os principais responsáveis pela administração do patrimônio da Igreja. Essa situação ajudou a gerar tensões entre diáconos e presbíteros, e até São Jerônimo se enfiou na treta, reclamando do fato de que os diáconos estavam colocados à frente dos presbíteros (Comissão Teológica Internacional, 2002, p. 45). O Toddynho ferveu!
Uma das principais queixas era a de que a função dos diáconos havia se pervertido: eles estariam se dedicando mais à liturgia do que às funções assistenciais. Também havia uma disputa com o fato de que, quando um bispo morria ou se aposentava, um diácono poderia ser eleito para sucedê-lo, tanto quanto qualquer outro presbítero. 
Na Idade Média, se desenvolveu muito a vida monástica. E assim a assistência aos pobres começou a ser realizada mais intensamente pelos mosteiros, assim como por instituições de caridade fundadas e administradas por leigos. E a função do diácono como ministro da caridade se esvaziou. A partir do século V, inicia-se um processo de decadência do diaconato, evoluindo até o seu quase que total desaparecimento. 
Por fim, venceu o entendimento de que um presbítero poderia fazer tudo o que um diácono fazia, e acabou-se o diaconato como função "permanente" na Igreja. O diaconato seria, a partir de então, somente uma etapa transitória, até o momento em que o cristão fosse ordenado sacerdote.
Mas a roda da História está sempre girando...
E eis que, no século XX, no Concílio Vaticano II, a Igreja tomou a decisão de restaurar o diaconato exercido de forma permanente (ficando o bispo de cada diocese livre para optar por restaurar ou não o diaconato em seu território). Após muita discussão, em uma sessão emocionante (tipo FLA-FLU), 2.120 bispos e padres conciliares votaram, e o resultado da votação foi o seguinte: 1.588 foram a favor da restauração do diaconato, 525 foram contra e 7 se abstiveram. O resumo das decisões a esse respeito foi publicado na encíclica Lumen Gentium e, depois, no documento Sacrum diaconatus ordinem.
O diaconato, é importante notar, não foi restaurado no CV II no exato formato da Igreja primitiva. Uma das diferenças é que, na hierarquia, o diácono está abaixo do bispo e do presbítero.
O sacramento da ordem possui três graus:
  • a ordem episcopal (bispos);
  • o presbiterado (padres);
  • o diaconato (diáconos).
O diácono casado é membro do clero – não é um leigo! Por isso mesmo ele usa traje clerical, nas ocasiões em que está servindo na Igreja. Ele pode:
  • pregar;
  • batizar;
  • presidir cerimônias de casamento;
  • ler o Evangelho na missa e fazer a homilia;
  • preservar e distribuir a Eucaristia;
  • dar aconselhamentos;
  • dar bênçãos;
  • levar o viático aos moribundos;
  • presidir ritos funerários etc.
O diácono não participa ministerialmente do sacerdócio de Cristo. Por isso, ele NÃO PODE:
  • celebrar a missa;
  • dar a unção dos enfermos;
  • ouvir Confissões e absolver os pecados dos penitentes.
O candidato a diácono só pode ser ordenado se a sua esposa concordar formalmente com isso. Afinal, certamente a família terá que fazer importantes renúncias, já que a maior parte do serviço prestado pelos diáconos costuma ser realizada nos fins-de-semana – justamente quando os maridos, em geral, se dedicam às tarefas de casa e ao lazer com a família.
Especialmente nas paróquias em que só há um padre, a presença de um bom diácono é valiosa, impedindo que o pároco fique sobrecarregado em suas tarefas pastorais e ministeriais.
O diácono permanente deve ter uma profissão, pois, diferente do padre, ele não recebe salário da Igreja (há exceções).
Caso se torne viúvo, o diácono não poderá se casar novamente. Se completar os estudos no seminário e receber autorização especial do bispo, poderá ser ordenado padre.
Se você é um bom marido e bom cristão, e tem ao menos 35 anos, pode apresentar o seu pároco ou bispo o desejo de ingressar na escola diaconal de sua diocese. Já pensou nessa possibilidade?

Padre Daniel em visita missionária nas casas

Em continuidade aos trabalhos missionários, com as Santas Missões Populares em nossa Paróquia, o nosso Pároco, inicia nessa terça feira (14/8),  visitas na Comunidade Cristo Rei.
Igreja em saída, ao encontro do povo. Uma igreja Missionária!!!
Abençoada seja a disponibilidade do  nosso Pastor em vir ao encontro do seu rebanho.
Seja bem vindo Padre Daniel Rosa!

quarta-feira, 25 de julho de 2018

São Tiago Maior 25/07


Tiago Maior nasceu doze anos antes de Cristo na Galiléia e era filho de Zebedeu e Salomé, segundo as sagradas escrituras. Era, portanto, irmão de João Evangelista. É sempre citado como um dos três primeiros apóstolos, além de figurar entre os prediletos de Jesus, juntamente com Pedro e André. É chamado de "maior" por causa do apóstolo homônimo, Tiago filho de Alfeu, conhecido como "menor".
Nas várias passagens bíblicas, podemos perceber que Jesus possuía apóstolos escolhidos para testemunharem acontecimentos especiais de sua missão. Um era Tiago, o Maior, que constatamos ao Seu lado na cura da sogra de Pedro, na ressurreição da filha de Jairo, na transfiguração do Senhor e na Sua agonia no Horto das Oliveiras.
Consta que, depois da ressurreição de Cristo, Tiago rumou para a Espanha, percorrendo-a de norte a sul, fazendo sua evangelização, sendo por isto declarado seu padroeiro. Mais tarde voltou a Jerusalém, onde converteu centenas de pessoas. Por causa de falso testemunho foi preso e acusado de levar o povo a ir contra as ordens do imperador. A pena para esse crime era a morte.
A sentença foi executada durante as festas pascais no ano 42. Assim, Tiago, o Maior, se tornou o primeiro dos apóstolos a derramar seu sangue pela fé em Jesus Cristo.

Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR
Reflexão No século VIII, a Espanha lutava contra a invasão dos bárbaros muçulmanos. Diz a história que pela intercessão de São Tiago os muçulmanos foram derrotados. No local da vitória espanhola o rei Afonso II mandou construir uma igreja e um mosteiro, dedicados a Santiago, com isto a cidade de Iria passou a se chamar Santiago de Compostela, ou seja, do campo da estrela. Desde aquele tempo até hoje, o Santuário de Santiago de Compostela, é um dos mais procurados pelos peregrinos do mundo inteiro, que fazem o trajeto à pé.
Oração Ó Deus, que a vossa Igreja exulte sempre no constante louvor do Apóstolo São Tiago, Maior, para que, sustentada por sua doutrina e intercessão, seja fiel a seus ensinamentos. Por Cristo nosso Senhor. Amém!
                                                                                                                                         Por: A12

domingo, 15 de julho de 2018

Em agosto tem as catequeses do Caminho: Uma reflexão inspirada no 15º Dom. TC


Deveríamos voltar a recuperar o sentido desta expressão (“adeptos do Caminho”), pois ela nos convida a continuar o itinerário percorrendo o caminho cotidiano da existência de uma maneira cristificada; e isto é algo fundamental para o encontro profundo com o outro, com as alegrias e os sofrimentos daqueles que se encontram às margens, com a novidade e a surpresa da senda da vida, com o desafio de prosseguir confiando na Boa Notícia de Jesus, que se manteve sempre em caminho pelas estradas da Palestina, para levantar os feridos, oprimidos e excluídos do sistema social e religioso.
Hoje como ontem, sair, caminhar, deslocar-se, ser itinerante... tem sentido, porque significa ir ao encontro do novo e do diferente. “Sair” é também uma experiência constitutiva da natureza humana porque tem um ar transformador. Cada um, ao longo do caminho, experimenta “novos modos” de habitar a existência, de olhar-se, pensar e relacionar-se. A itinerância permite ir mais além de si mesmo para encontrar outras maneiras de viver, para entrar em outras terras prometidas, para aproximar-se de outras pessoas, povos, culturas, onde encontrar o sentido de vida; sobretudo, possibilita ir ao encontro d’Aquele que nos transcende e sempre se revelou Peregrino.
A vida humana, neste sentido, é caminho, com um ponto de partida, uma meta, um trajeto e um horizonte. Caminho, palavra familiar e também humilde que evoca a existência de uma origem e um destino e, entre ambos, de uma aventura: a aventura de nosso caminhar, feita de desafios e extravios, e também de encontros e de momentos inesquecíveis que nos confortam ao longo do percurso.
Todos somos “peregrinos” neste “êxodo de nós mesmos para Deus”, no qual nos “adentramos em terra estranha, despojados dos suportes usuais da existência, desprovidos de todo amparo que não seja o da caridade...” (Tellechea Idógoras).
Quem caminha calcula seu trajeto, suas próprias forças, fadigas, planeja suas paradas. Por outra parte, decide correr o risco de sair de sua zona de conforto, para abrir-se à paisagem de novas relações, ao inesperado e inexplorado, a novos encontros e sensações, a confiar e percorrer a própria existência.
O caminho é um processo de mudança pessoal, um lugar pedagógico de cura, de aprendizagens, abertas ao assombro, a um olhar dinamizador, à liberdade de pensamento e de ação. Ele nos move a dilatar o coração e interessar-nos pela situação das demais pessoas, a aproximarmos dos(as) samaritanos(as) que encontramos nas idas e vindas. Porque o caminho é a ocasião, o Kairós, o tempo pedagógico de um movimento que vivifica, deixa pegada e sabor de um outro sentir.
Podemos dizer que na Igreja são imprescindíveis os itinerantes, os peregrinos do Reino de Deus, como o próprio Jesus, que enviou discípulos e discípulas pelos caminhos e povos, sem nenhuma estrutura de apoio a não ser um coração disposto a não querer outra riqueza a não ser o fermento de nova humanidade.
Com os itinerantes Jesus iniciou um movimento a serviço do Reino e Ele mesmo foi um itinerante. Não permaneceu numa casa, não se fechou em um lugar, não fundou uma instituição vinculada a um tipo de templo, sinagoga ou santuário, mas foi percorrendo, com um grupo de discípulos(as)/amigos(as), também itinerantes, os povoados e aldeias da Galiléia, anunciando e tornando presente o Reino. Jesus os tirou de seus lugares estáveis, de suas simples redes da margem do mar, e os fez itinerantes através de outros e amplos caminhos e mares, para assim encontrar-se com os caminhantes, os perdidos e expulsos, e iniciar com eles a grande Marcha da Vida.
Jesus, o Homem dos Caminhos, chama para uma Vida nova. Chama na vida e para a vida e põe as pessoas em movimento, a caminho. A “pegada” que Ele deixa ao passar é sua própria Vida partilhada.
Ele é o inspirador de toda itinerância; com sua peregrinação Ele abre possibilidade de outros caminhos.
Jesus envia seus discípulos com o necessário para caminhar: cajado, sandálias e uma túnica. Não precisam de mais nada para serem testemunhas do essencial. Jesus quer vê-los livres e sem ataduras, sempre disponíveis, sem instalar-se no bem-estar, confiando na força do Evangelho.
“O discípulo-missionário é um des-centrado: o centro é Jesus Cristo que convoca e envia. O discípulo é enviado para as periferias existenciais. A posição do discípulo-missionário não é a de centro, mas de periferias: vive em tensão para as periferias” (Papa Francisco)
É decisivo estar dispostos a abrir espaços em nossa história a novas pessoas e situações, novos encontros, novas experiências... Porque sempre há algo diferente e inesperado que pode nos enriquecer...
A vida está cheia de possibilidades e surpresas; inumeráveis caminhos que podemos percorrer; pessoas instigantes que aparecem em nossas vidas; desafios, encontros, aprendizagens, motivos para celebrar, lições que aprenderemos e nos farão um pouco mais lúcidos, mais humanos e mais simples...

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Pe. Fernando preside Missa em comemoração ao Ano Jubilar e nos ajuda na reflexão do (14º Dom. TC)


Houve um tempo em que nossa Igreja era reconhecida como uma Igreja profética, uma Igreja portadora de vozes proféticas.
Essa Igreja profética parece ter dado lugar hoje a uma Igreja um tanto tímida e insegura diante da realidade sócio-político-econômico-religiosa em que vivemos. Mas essa ausência de profetismo não se faz sentir somente em nossa Igreja. Ela parece ser a marca do nosso tempo, um tempo em que os grandes sonhos e as grandes esperanças de transformação social deram lugar à mera luta pela sobrevivência e à busca individual de bem estar.
Seja como for, os textos bíblicos da liturgia de hoje nos falam da importância do profeta na Igreja e na sociedade.
Quando olhamos nossa vida a partir da vocação profética, nos damos conta de que o lugar em que nos encontramos não é acidental, mas providencial: Deus nos colocou ali para sermos uma presença profética, para reconduzir a Ele pessoas que se afastaram do bem, da verdade e da justiça. Assim como fez com Ezequiel.
Enquanto muitas pessoas hoje abandonam a verdade e se rodeiam de falsos profetas que falam somente o que elas gostam de ouvir, a palavra profética nos coloca diante da verdade, a verdade que não gostamos de ouvir, mas que precisamos ouvir se queremos ser libertos e salvos.
É mesmo de admirar como a nossa geração se melindra e se sente ofendida quando escuta a verdade. É mesmo de admirar como facilmente ‘deletamos’ dos nossos contatos toda pessoa que fala aquilo que não queremos ouvir. É mesmo de admirar como a nossa fé é feita de caprichos e resiste a mudanças e questionamentos. É mesmo de admirar como não falamos a verdade para as pessoas porque não queremos magoá-las e, consequentemente, correr o risco de perder o afeto delas. É mesmo de admirar como nossa palavra não tem credibilidade, porque nós somos os primeiros a não sustentá-la diante de uma crítica ou de uma rejeição ao que dissemos. Enfim, é mesmo de admirar que para nós seja mais importante ter a aprovação das pessoas do que a aprovação de Deus, o Deus da verdade, cuja Palavra é a única fonte de salvação.
Além disso, Paulo entendeu que Deus escolheu não anular as fraquezas humanas do profeta porque Ele sabe que, pior do que as fraquezas e ambiguidades humanas, aquilo que mais faz mal ao profeta é o risco da presunção, o risco da arrogância, da autossuficiência, do achar-se pronto (cf. 2Cor 12,7).
Como Paulo acabou de testemunhar, Deus escolheu revelar a Sua força através da fraqueza do profeta (cf. 2Cor 12,9).   
(por Márcio Neves-Pascom)        

Espiritualidade: "A incansável busca pela intimidade com Deus"


Se há aqui alguém escravo do pecado, prepare-se pela fé para o nobre renascimento de filhos por adoção. Rejeitada a péssima escravidão dos pecados e obtida a felicíssima servidão do Senhor, seja considerado digno de alcançar a herança do reino celeste. Portanto despi, pela confissão, o homem velho que se vai corrompendo ao sabor dos desejos maus, a fim de revestirdes o homem novo, que se renova pelo conhecimento daquele que o criou. Adquiri pela fé a segurança do Espírito Santo de serdes acolhidos nas mansões eternas. Aproximai-vos do místico sinal para que possais ser favoravelmente reconhecidos pelo Soberano. Juntai-vos ao santo e racional rebanho de Cristo. Postos um dia de parte à sua direita, entrareis assim na posse da vida preparada por herança para vós.
            Com a aspereza dos pecados aderentes como pêlos, estão à esquerda aqueles que não se achegam à graça de Deus concedida por Cristo no banho da regeneração. Refiro-me aqui não à regeneração dos corpos, mas ao novo nascimento espiritual da alma. Os corpos são gerados pelos pais visíveis; a alma é gerada de novo pela fé, porque o Espírito sopra onde quer. Então, se te tornares digno, poderás ouvir: Muito bem, servo bom e fiel, quando não se encontrar em ti qualquer impureza de fingimento na consciência.
            Se algum dos que aqui estão espera provocar a graça de Deus, engana-se e desconhece o valor das coisas. Tem, ó homem, alma sincera e livre de disfarce, por causa daquele que perscruta corações e rins.

            O tempo agora é tempo de confissão. Confessa o que cometeste por palavra, ou ação, de noite ou de dia. Confessa no tempo propício e recebe no dia da salvação o tesouro celeste.
            Limpa tua jarra para conter graça mais abundante, pois a remissão dos pecados é dada igualmente a todos, mas, a comunicação do Espírito Santo é concedida a cada um segundo a fé. Se trabalhares pouco, receberás pouco; se fizeres muito, grande será a recompensa. Corre em teu próprio proveito, vê o que te convém. Se tens algo contra outro, perdoa. Tu te aproximas para receber o perdão dos pecados; é necessário perdoar a quem te ofendeu.
(Das Catequeses de São Cirilo, bispo de Jerusalém)

sábado, 16 de junho de 2018

Prefeito de Jundiaí presente na comunidade

Luiz Fernando Machado(Prefeito de Jundiaí)
Conforme havia anunciado nos avisos da paróquia esteve presente em nossa paróquia nesta sexta-feira, (15),Luiz Fernando prefeito de Jundiaí e toda sua equipe de gestão administrativa num gesto de comprometimento Há de se reconhecer a atitude da atual administração de ir “as bases”, estar próximo do povo. Aquilo que num primeiro momento parecia ser mais um ato meramente político nas vésperas das eleições trouxe aos participantes uma impressão positiva. O ponto negativo, nos veio por parte do povo que deve assumir sua postura de protagonistas nesta história. Impossível, não se perguntar neste, onde estão as lideranças, administradores, os coordenadores da paróquia e o povo em geral.
A modesta participação explica talvez, a desconfiança que os cidadãos manifestam em relação à classe política, desconfiança que se vai tornando cada vez mais óbvia, com a crescente abstenção na hora de acorrer às urnas de voto, de eleição para eleição. É fácil perceber que mudar a estrutura social de um país não é tarefa fácil. Não se transformam "da noite pro dia" muitos anos de baixa qualidade de vida numa sociedade econômica e socialmente desequilibrada. Atualmente, vive-se no país um descrédito na política, uma crise de identidade, onde a população não se acha representada pelos que estão com o poder. Atinge sobretudo o ânimo dos brasileiros e é a grande causa da desesperança que afeta a nação.Mas esse é o momento de não apenas criticar,mas juntos buscarmos soluções práticas para solução de problemas.
Daniel Lemos (Pres. Ass. Moradores-Retiro)
Mas quanto a nós, que somos chamados a encarar desafios e assim, posicionar-se politicamente é tarefa cristã e fugir disso nunca foi uma atitude de Jesus de Nazaré, conforme nos mostram os Evangelhos. Dentro da dinâmica do encontro o Prefeito expôs a prestação de contas de sua gestão e finalizando com um espaço aberto aos participantes para fazerem suas perguntas e considerações. O prefeito também deixou claro que conhece as deficiências de seu governo e por isso trabalha sabendo disso na intenção de melhorar sempre. Dentre os tópicos, o tema Segurança Pública foi que mais chamou atenção, pois envolve o nosso bairro (Grande Retiro). Segundo os dados, Aumentaram os casos de incidência e o aumento da criminalidade com registros na Região do Retiro o qual já está na pauta uma abordagem mais extensiva da GM na região.
Ponto positivo foi à participação da Associação de Moradores da Região do Grande Retiro na pessoa de seu presidente Daniel Lemos que em sua fala levou ao conhecimento da gestão atual, um montante das necessidades e melhorias levantadas pelos moradores. Certamente, um excelente trabalho.
(Márcio Neves-Pascom)

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Vaticano denuncia exploração da Amazônia e violação dos direitos dos povos indígenas


O Vaticano denuncia num novo documento sobre a Amazônia a exploração levada a cabo por “interesses econômicos” que ameaçam a natureza e os direitos dos povos indígenas.
“A riqueza da selva e dos rios da Amazônia está ameaçada pelos grandes interesses econômicos que se alastram sobre diferentes regiões do território. Tais interesses provocam, entre outras coisas, a intensificação do desmatamento indiscriminado na selva, a contaminação dos rios, lagos e afluentes”, assinala o texto preparatório da assembleia especial do Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, que o Papa convocou para 2019.
O texto, divulgado na manhã desta sexta-feira (08) pela sala de imprensa da Santa Sé, defende que este Sínodo especial deve “encontrar novos caminhos para fazer crescer o rosto amazônico da Igreja e também para responder às situações de injustiça da região”.
Entre as situações denunciadas elenca-se o “neocolonialismo configurado pelas indústrias extrativistas, pelos projetos de infraestrutura que destroem sua biodiversidade e pela imposição de modelos culturais e económicos estranhos à vida dos povos.
A assembleia de bispos foi anunciada pelo Papa a 15 de outubro de 2017 e vai refletir sobre o tema ‘Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral se realizará em outubro de 2019’.
“As relações harmoniosas entre o Deus Criador, os seres humanos e a natureza estão quebradas por causa dos efeitos nocivos do neoextrativismo e por pressão dos grandes interesses económicos que exploram o petróleo, o gás, a madeira, o ouro, e pela construção de obras de infraestrutura e pelas monoculturas agroindustriais”.
O documento do Vaticano alerta para as consequências da “cultura dominante de consumo e descarte” sobre a natureza, que tem gerado uma “profunda crise”.
A Igreja Católica atua na região através da Rede Eclesial Pan-Amazônica, REPAM, que inclui representantes de comunidades católicas de nove territórios: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana-Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.
“A Amazônia, uma região com rica biodiversidade, é multiétnica, pluricultural e plurirreligiosa, um espelho de toda a humanidade que, em defesa da vida, exige mudanças estruturais e pessoais de todos os seres humanos, dos Estados e da Igreja”, assinala o texto preparatório do Sínodo de 2019.
A bacia amazônica é apresentada como uma das “maiores reservas de biodiversidade” do planeta, cujos povos são hoje marcados pela “pobreza produzida ao largo da história” e da “mudança de valores decorrentes da economia mundial, na qual prevalece o valor lucrativo sobre a dignidade humana”.
“Um exemplo disso é o crescimento dramático do tráfico de pessoas, especialmente o de mulheres, para fins de exploração sexual e comercial”, assinala a Santa Sé.
O documento alude ainda à necessidade de “regularização de terras e do reconhecimento de sua propriedade ancestral e coletiva” por parte dos povos indígenas na Pan-Amazônia.
“Proteger os povos indígenas e seus territórios é uma exigência ética fundamental e um compromisso básico dos direitos humanos”, sustenta o Vaticano.
O Sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia consultiva de representantes dos episcopados católicos de todo o mundo, a que se juntam peritos e outros convidados, com a tarefa ajudar o Papa no governo da Igreja.
Até hoje houve 14 assembleias gerais ordinárias e três extraordinárias, as últimas das quais dedicadas à Família (2014 e 2015); em outubro, o Vaticano recebe uma assembleia ordinária do Sínodo, sobre os jovens.

domingo, 10 de junho de 2018

Artigo: Igrejas empresas?


Na conjuntura atual, é possível perceber que quase todas as igrejas espalhadas, sejam protestantes, sejam católicas são como empresas que devem ser geridas. Ou seja, nela há entradas, saídas, despesas fixas, tais como aluguel, corpo de funcionários, contas de água, luz, telefone etc, que em nada difere de uma empresa normal.
Até aí, nada estranho para uma estrutura de aglomeração de pessoas que precisa se manter. No entanto, um dos maiores riscos desse tipo de gestão é perder qual é a missão para o qual a Igreja nasceu. Não dificilmente, no afã de uma gestão eficiente que usa os recursos de maneira eficaz e controla suas receitas e suas despesas de maneira a gerar um fundo de caixa para a comunidade, perde-se de vista o caráter filantrópico, sacrificial e de doação que está na origem do nascimento da Igreja, como relatado no livro de Atos. Perde-se de vista que mais importante que o lucro é a comunidade e o amor que é encontrado nela, lembrando ser essa a marca registrada dos discípulos de Jesus.
Atentar-se para os limites da organização de maneira que eles não tirem o foco daquilo que é essencial para uma comunidade que se diz cristã se torna, então, tarefa imprescindível para todos e todas que estão nos diversos cargos administrativos das igrejas  espalhadas pela Terra.
Mais do que uma comunidade que gere receitas, a Igreja é chamada para ser uma comunidade de entrega e de amor que se dá a toda pessoa que necessita de ajuda e amparo. Dessa forma, não é uma administração que gera lucro financeiro para a Igreja aquela que deve ser almejada, antes uma administração que concilie uma boa gestão dos recursos sem esquecer que o mais importante de toda essa história, bem como a razão de ser da Igreja, está em seguir o exemplo de Cristo, a saber, de assumir a carne do mundo para sofrer suas dores e propor a esperança de que a morte não tem a última palavra, visto sermos testemunhas de que a vida a venceu.
Dessa forma, para a Igreja serve o adágio: Administrar recursos, sim. Esquecer as pessoas, jamais.


sábado, 9 de junho de 2018

EDITORIAL: Junho "uma espiritualidade maior"

Márcio Neves-Pascom

Caríssimos,
Chegamos ao mês de Julho, aliás, já vai adiantado. Recorremos especificamente neste mês a espiritualidade popular animados em primeiro lugar pelas festividades juninas e Sagrado Coração de Jesus e Maria.
Somos chamados a viver uma “espiritualidade maior” conforme nos propõe a liturgia deste mês onde o principal diferencial está na disposição em obedecer, pois de boa intenção o inferno está cheio.
O cultivo da espiritualidade consiste na busca de uma contemplação palpável e infelizmente sente-se a falta do silêncio nos momentos de interiorização em nossas celebrações. Os momentos que antecedem nossas celebrações continuam desprovidos de silencio, Assim como os momentos pós comunhão.
Em geral, os agentes das equipes de celebrações, quase não se reúnem no meio da semana e acham por bem colocarem o “papo em dia” ou as “pendências” minutos antes das celebrações, tumultuando assim ao o ambiente celebrativo.
Santo Antonio que vamos celebrar neste mês, vem citar São Gregório em uma se suas catequeses que diz que a há uma lei para o pregador: “que faça o que se prega”, ou seja, a Palavra é viva quando são as obras que falam.
Com igual fervor celebraremos o nascimento de São João Batista como acontecimento sagrado. São João apareceu como ponto de encontro entre o antigo e novo testamento.
Finalizando os Santos Juninos  celebraremos São Pedro e São Paulo. São Pedro o primeiro dos Apóstolos, São Paulo só se alegrava no amor de Cristo, que era para ele o maior de todos os bens.
E também para enriquecer-nos mais ainda celebraremos ainda neste mês São Barnabé, São Luis Gonzaga e os primeiros mártires da Igreja de Roma.
Em andamento estão as comemorações do Jubileu, vivenciando o Ano Jubilar neste 50 Anos de nossa paróquia. Neste mês, dia 10/06 receberemos o nosso 5º padre que foi ordenado como administrador Paroquial em 29/11/2009 e ficou conosco no ano de 2010.
Dia 17 na missa das 09:30 na matriz celebraremos o 50º Aniversário do Caminho Neocatecumenal.
Enfim ,não percamos nossa identidade de cristãos comprometidos pela causa do Evangelho. Somos humanos, seres em caminho, apredizes, buscadores de sentido, buscadores da verdade e habitados pelo mesmo Deus. E viver  “cultura do encontro” (papa Francisco) implica respeitar e se alegrar com a diversidade, considerando-a riqueza maior.

sábado, 12 de maio de 2018

Conselho Comunitário da Ação Evangelizadora – CCAE (Cristo Rei)


Comunidade Cristo Rei
Presença do Padre Daniel anima a comunidade.
Foi o que pode se constatar neste sábado,12 na comunidade Cristo Rei. Dia este, que antecede a Festa da Ascensão do Senhor e também o dia das Mães. Lembramos também com carinho o dia da aparição de Nossa Senhora em Fátima-Portugal.
Podemos dizer que é uma troca de energia positiva. Estar próximo do padre é uma ótima oportunidade de crescimento como Igreja. “Devemos nos esforçar para sermos facilitadores e não se tornar um empecilho dentro da Igreja”.
Uma Igreja que ajuda as pessoas e seus agentes pastorais a encontrar o caminho para o Reino de Deus. O objetivo da comunidade é o Reino de Deus, o ponto de partida é a vida, a mediação são as pessoas, a começar pelas mais simples, e o método é o enxergar, julgar e atuar, avaliando e celebrando como processo complementar.
Avaliar não é descobrir quem é culpado, mas descobrir o rumo, como um avião que sai à noite: não enxerga seu objetivo, mas por horas não se perde no caminho. A Igreja precisa avaliar se estamos em uma direção segura ou estamos nos desviando por alguma razão. Apoiando-se simplesmente na minha convicção pessoal. Não nos esquecendo do principio básico que muito sabiamente diz: “Quem obedece não erra”. Existem ventos e outros elementos pelos quais o avião pode se desviar, mas ele tem de voltar ao rumo inicial.
Papa Francisco insiste na importância dos leigos, no futuro da Igreja, o que é essencial na vida das comunidades. Por isso, a Igreja nos propõe este ano a refletir sobre a missão do Leigo.O tema do Ano do Laicato que vai até a Festa de Cristo Rei, 25 de novembro de 2018, é “Cristãos Leigos e Leigas, sujeitos na Igreja em saída, a serviço do Reino”. A inspiração bíblica é motivada pelo evangelista Mateus, extraída de 5, 13-14: “Sal da Terra e luz do mundo”.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

50º aniversário do Caminho Neocatecumenal com Francisco


O encontro com o Papa terá início as 11 horas, mas a partir das 10h, Kiko Argüello, responsável internacional do Caminho, fará a introdução. O lugar escolhido para o encontro é a área universitária de Tor Vergata, situada na periferia de Roma, em homenagem a João Paulo II, que durante os seus 26 anos de pontificado acolheu e apoiou o Caminho. Em Tor Vergata foi celebrada a inesquecível Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de 2000.
Nessa celebração de agradecimento pelo amor e fidelidade de Deus em todos estes anos, Papa Francisco enviará 34 novas missio ad gentes que, a pedido dos bispos, levarão o Evangelho para regiões secularizadas ou com um pequena presença da Igreja nas cidades de todo o mundo. Papa Francisco enviará também 25 comunidades das paróquias romanas – que já concluíram esta iniciação cristã – a outras paróquias de Roma, cujos párocos pediram ajuda para chamar os que se afastaram da fé.
O encontro se concluirá com o canto do hino Te Deum como agradecimento pelos 50 anos em Roma, e será guiado pela equipe internacional do caminho Neocatecumenal: Kiko Argüello, padre Mario Pezzi e Ascensión Romero. De modo particular, será recordada Cármen Hernández, co-fundadora do Caminho Naocatecumenal com Kiko, que faleceu em 19 de julho de 2016.
fonte: vaticannews.


domingo, 29 de abril de 2018

Filme 'Paulo, apóstolo de Cristo' tem pré-estréia nacional para bispos

Lucas e Paulo

O filme “Paulo: Apóstolo de Cristo” foi aclamado por bispos de todo o Brasil durante a 56ª Assembleia Geral da CNBB, realizada de 11 a 20 de abril, em Aparecida (SP). A pré-estreia aconteceu no auditório da TV Aparecida. Em seção exclusiva, o episcopado teve a oportunidade de assistir o longa e se emocionar com a história. É o caso do bispo da diocese de Bom Jesus da Lapa (BA), dom João Santos Cardoso, que classificou o filme como “fantástico”.
“Eu considero que o filme fez uma interpretação dos escritos paulinos e também de fatos narrados pelos Atos dos Apóstolos. Ele retrata a prisão, num ambiente sombrio e vários outros momentos sombrios que mostram o contexto difícil numa época em que os cristãos eram trucidados, porém testemunhavam a fé e o amor. Depois, num ambiente de luz do filme, são os momentos de saída, que é Cristo”, afirmou o bispo.
Outros dois bispos concordaram que o longa é destinado tanto para cristãos, como para pessoas de outras religiões, ou até mesmo aos que não têm crença. Dom Eduardo Pinheiro, bispo de Jaboticabal (SP), afirmou que este “é um filme que não só os cristãos, mas todas as pessoas que têm uma noção do que significa entregar a própria vida por um ideal vão se sentir tocadas”.
“A vida de São Paulo toca a vida de cada um de nós. Diante dos sofrimentos dele e dos outros, num mundo em que quer mostrar a vida no imediato, esse filme acaba provocando em nós um pensamento naquilo também que vem depois da vida”, disse. “Se não há um ideal, um sonho, uma esperança na eternidade, o sofrimento e a vida não tem sentido. Acredito que esse filme pode ajudar muita gente”, complementou o bispo.
Dom Giuliano Frigeni, da diocese de Parintins (AM), também destacou que o longa vale para pessoas de várias crenças. “Eu acho que vale para cristãos, padres, bispos, ateus, agnósticos, porque o filme não descarta nenhuma pessoa, todas elas reagem segundo aquilo que acreditam. Seja o imperador, sejam os soldados a serviço do império, como os próprios cristãos que perderam suas casas, mas que conseguem descobrir o valor da vida com o testemunho de Paulo”.
Para o bispo foi genial Paulo ser representado já no fim da vida, mas ao mesmo tempo rever sua história, enquanto comunica suas experiências a Lucas, que por sua vez, não faz um papel apenas de escrivão, mas entra de vez na vida do apóstolo. “Agora quem ler o Evangelho de Lucas e o Atos dos Apóstolos, depois desse filme, lerá com um gosto e um proveito muito maior”, destaca dom Giuliano.
O filme
O longa retrata a história de Paulo, conhecido como um dos perseguidores de cristãos mais cruel de seu tempo. Mas, tudo muda quando ele tem um encontro com o próprio Jesus e, a partir desse momento, o jovem se torna um dos apóstolos mais influentes do cristianismo.

fonte:CNBB


terça-feira, 24 de abril de 2018

Festa de São José Operário 2018 tem presença confirmada da Dupla Sertaneja Mateus e Gabriel

 O Tríduo preparatório para Festa de São José Operário começa neste sábado,dia 28 incluindo também a parte festiva conforme programação já divulgada. A paróquia que neste ano completa 50 anos, preparou uma programação especial e quer contar com a participação de todos, e não dispensa ninguém.
A comissão de festa tem a alegria de comunicar que a dupla Mateus e Gabriel tem presença confirmada e se apresentará durante os festejos de São José Operário neste ano em duas oportunidades: dia 1 de maio na festa do Padroeiro e também no almoço do dia das mães no dia 13 de maio.
A dupla formada pelos irmãos Mateus e Gabriel que com o passar do tempo vem caindo no gosto do público que gosta da boa música sertaneja e também de um repertório musical diversificado. Sempre com grande estilo e qualidade artística os irmãos são filhos do casal Osvaldo e Edilaine que durante muito tempo foram nosso paroquianos morando atualmente na cidade de Itupeva.Venha e traga sua família, amigos e parentes e participem deste grande momento de Louvor ao nosso São José Operário


sábado, 21 de abril de 2018

Neste domingo (22), terá início em nossa paróquia “Grande Missão nas praças”.


Inicialmente os anúncios estavam previstos para começar no dia 08/04,(2º Domingo da Páscoa), mas neste ano respectivamente devido à programação do Jubileu de ouro de nossa paróquia estaremos iniciando a missão neste domingo, (22)
Cada domingo do tempo pascal, as comunidades do Caminho Neocatecumenal em todo o mundo celebrarão cinco encontros nos quais se darão respostas às perguntas como: “quem é Deus para você?”, “que experiências você tem, na sua vida, que Deus existe?”, “para que você vive?”, “o que é a Igreja?”. No primeiro encontro se falará sobre “Quem é Deus para você?” e “que experiências você tem, na sua vida, que Deus existe?”.
Os anúncios pretendem ajudar as pessoas a ter um encontro com Jesus Cristo através da escuta da Boa Notícia: o querigma. Em diversas ocasiões, o Papa Francisco propôs uma “Igreja em saída” para ir “às periferias”.


Na audiência geral de quarta-feira, 28 de março, o Papa Francisco afirmou precisamente que “o caminho rumo à missão, ao anúncio” de que “Cristo ressuscitou!” é “o centro da nossa fé e da nossa esperança, é o núcleo, é o anúncio, é o querigma que evangeliza continuamente a Igreja e que ela, por sua vez, é convidada a evangelizar”.
Neste ano, a praça escolhida é a praça do Jardim Alvorada.O horário de inicio é será as 10:00 horas.
Vem para praça você também!

domingo, 15 de abril de 2018

Willian Arribard é o ganhador do carro da Ação entre amigos


Todos nos sabemos que o sucesso de uma ação só acorre se uma ou mais pessoas de envolvem de corpo e alma e agarram os desafios com firme propósito para que se atinja um bom resultado.
A Paróquia São José Operário através d e nosso pároco Padre Daniel Rosa tem o enorme prazer de agradecer a a presença e participação de todos que diretamente e indiretamente contribuíram para realização e o bom andamento da Ação entre amigo de caráter beneficente realizado neste domingo. Sabemos das dificuldades enfrentadas. É sempre uma oportunidade de aprendizagem quando
evento desse tamanho é abraçado pelos paroquianos.
O evento contemplou, um delicioso almoço, além do Prêmio principal o sorteio de um automóvel Chevrolet Onix 0km.
Certamente o momento de maior expectativa do evento foi o sorteio das chaves que foi realizada de maneira clara, organizada e muito transparente, onde cada participante recebia uma chave e esta por sua vez tinha que coincidir com a abertura da porta do automóvel. Depois de várias tentativas, a sorte recaiu sobre o jovem Willian Arribard que foi o grande “sortudo” da tarde. Estamos certos de que qualquer um poderia ter ganhado cada um com sua necessidade, mas acreditamos que ficou em boas mãos.
Parabéns Willian Arribard! Desejamos que você faço bom uso desta conquista.
(Pastoral da Comunicação-SJO)