Instituição Religiosa-Igreja Católica-Paróquia São José Operário Tel.4582-5091- Retiro Jundiaí

Minha foto
Jundiaí, São Paulo, Brazil
Instrumento a serviço da Paróquia São José Operário.(Bairro Retiro-Jundiaí) R.Maestro Paulo Mário de Souza,284-Retiro Cep.13211-160- Fone/Fax:(11)4582-5091-e-mail:psjoperario@ig.com.br-Horário de atendimento da secretária:Seg.a Sexta das 08:00 as 12:00 e das 13:00 as 17:00- No Sábado das 08:00 as 12:00.

Região Pastoral V

Região Pastoral V
Região Pastoral V - ACESSE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK (LINK ABAIXO):

Compromisso de todo Cristão

Compromisso de todo Cristão
PASTORAL DA COMUNICAÇÃO - SJO

Pastoral da Comunicação-Pascom

Pastoral da Comunicação-Pascom
LEIA NOSSO JORNAL DIOCESANO - https://dj.org.br/o-verbo/ - e-mail:verbo@dj.org.br

Pastoral da Comunicação-Pascom

Pastoral da Comunicação-Pascom
Pastoral da Comunicação-Pascom

domingo, 1 de setembro de 2019

Seminarista Luan Felipe: “não é possível falar de vocação, excluindo missão”


Finalizando o mês de Agosto (mês das vocações) queremos trazer aqui uma reflexão sobre a vocação tendo como inspiração nosso atual seminarista Luan Felipe da cidade de Salto, atualmente realizando trabalho pastoral em nossa Paróquia São José Operário. É próprio de nossas comunidades este zelo para com todos, tendo em vista de que muitos que por aqui passaram já se tornaram padres. O último a ser tornar padre foi o agora Padre Elias Pavan. Primeiramente, “não é possível falar de vocação, excluindo missão”. Viver no seminário é estar neste tempo da descoberta de Cristo. É tempo de acolhimento e amadurecimento do dom recebido da iniciativa de Deus e não por méritos da pessoa. Tempo importante de relacionar-se com Deus, que se expressa de forma significativa na oração para um correto discernimento. O Bispo de Roma Papa Francisco como sempre, trabalha toda sua reflexão em três pontos. Em 2014, ele disse que o seminarista deve ser fraterno, orante e missionário. A fraternidade é parte integrante do chamado, não se pode viver individualmente. A oração deve ser um convite ao Espírito Santo, como no Cenáculo, pois d’Ele depende a construção da Igreja, o guia dos discípulos e o dom da caridade pastoral. A missão deve torná-los discípulos humildes capazes de preferência pelas pessoas marginalizadas, àquelas das periferias. Levar as pessoas a acolherem a ternura e humildade de Cristo.
Isso se resume na necessidade de promovermos a sinodalidade e assumirmos espaços missionários de formação na paróquia; despertarmos o ardor missionário por meio da consciência de que a missão contínua e permanente é um transbordar da experiência pessoal com Jesus. Daí implica-se rever com coragem costumes, estilos, horários, linguagem, escuta, diálogo, estruturas, formas, ministérios, práticas de formação humana, teológica e espiritual, bem como a prática da solidariedade, da cooperação e da integração ingredientes indispensáveis na formação de um sacerdote a serviço da comunidade.
Deus sempre tem surpresas preparadas em cada missão. Nossas orações sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário